PUBLICIDADE
Topo

Política

Senador morto por covid-19 questionou "vírus chinês" e criticou isolamento

Colaboração para o UOL

22/10/2020 08h01Atualizada em 22/10/2020 15h26

Arolde Oliveira (PSD-RJ), senador que morreu ontem por causa de complicações causadas por covid-19, costumava questionar a gravidade do novo coronavírus. Aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ele defendia o uso da cloroquina e criticava a prática do isolamento social.

Quando a pandemia chegou ao Brasil, Arolde se manifestou bastante sobre o assunto no Twitter.

Cloroquina

Em uma das publicações, ele defendeu o uso de hidroxicloroquina, que nunca teve efeito comprovado cientificamente no combate contra a covid-19.

"O tratamento da covid-19 com cloroquina divide a opinião dos especialistas. Fico com a sugestão do uso do medicamento desde o início, como quer o presidente Jair Bolsonaro, além do isolamento social seletivo. Porque? Porque é preciso resolver o hoje pensando no amanhã. Hoje é urgente salvar vidas; amanhã, salvar empregos, renda e empresas. Essas duas ondas, saúde e economia, já estão entrelaçadas e sinalizam para miséria, fome e caos", opinou Arolde.

Isolamento e "vírus chinês"

Em outra publicação Arolde criticou o isolamento social, prática recomendada mundialmente para diminuir o impacto da covid-19.

"Os números do vírus chinês no mundo e no Brasil demonstram a inutilidade do isolamento social. Autoridades, alarmistas por conveniência, destruíram o setor produtivo e criaram milhões de desempregos. O Presidente Jair Bolsonaro, isolado pelo STF, estava certo desde o início", declarou o senador.

Números em dúvida

Em agosto, usando o termo pejorativo "covidão" adotado por aliados do presidente Bolsonaro para se referir aos casos de corrupção envolvendo a pandemia, Arolde postou comentário questionando os números de mortes atribuídas à pandemia.

"Efeito covidão? Total de óbitos de abril a julho em 2019, 437.433, e em 2020, 491.336, aumento de 53.903. Como se os inimigos do Brasil comemoraram 100.000 mortes só pelo vírus chinês? Acho que muita gente vai responder por crime de corrupção e até de homicídio. Aguardemos..."

"Uso eleitoral"

Arolde também denunciou que políticos supostamente faziam uso eleitoral da pandemia, mas não citou nomes. A manifestação repetia discurso de Bolsonaro, que durante toda a pandemia criticou prefeitos e governadores que determinaram o fechamento das atividades econômicas.

"O uso eleitoral da pandemia mascara as reais intenções das autoridades. Observem que por trás de um pronunciamento demagógico sempre tem um pré-candidato a algum cargo. Não é preciso citar nomes. Atenção, nem tudo que reluz é ouro".

O senador também atacou o jornalista Ricardo Noblat por ter criticado o presidente Jair Bolsonaro.

Arolde estava com 83 anos e ficou internado no hospital desde 4 de outubro, até que sofreu falência múltipla de órgãos ontem. Ele foi o primeiro congressista do Brasil a morrer em decorrência da covid-19.

Covid-19 no Brasil e no mundo

Segundo dados do consórcio de imprensa, o Brasil chegou ontem a um total de 5.300.649 casos de coronavírus e 155.459 mortes pela doença.

O país tem o segundo maior número de óbitos por covid-19 no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, e é o terceiro em quantidade de diagnósticos positivos, atrás de EUA e Índia, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

Política