PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

De coveiro a 'sinto profundamente': as diferenças entre falas de Bolsonaro

Trechos de pronunciamento de Bolsonaro em rede nacional contrastam com algumas declarações anteriores - Anderson Riedel/PR
Trechos de pronunciamento de Bolsonaro em rede nacional contrastam com algumas declarações anteriores Imagem: Anderson Riedel/PR

Anaís Motta

Do UOL, em São Paulo

02/06/2021 23h13Atualizada em 03/06/2021 09h48

Classificado por membros da CPI da Covid como um "atraso fatal", o pronunciamento de Jair Bolsonaro (sem partido), elaborado por membros do governo e lido pelo presidente em rede nacional de rádio e TV, traz alguns trechos sobre a pandemia e a vacinação que contrastam com declarações negacionistas feitas anteriormente e por conta própria, quase sempre a apoiadores.

Bolsonaro iniciou o discurso de hoje lamentando "profundamente" pelas mortes em decorrência da covid-19 registradas no país, que já ultrapassam 467 mil. Em abril de 2020, porém, o presidente disse "não ser coveiro", recusando-se a responder a um jornalista sobre a marca de 300 óbitos alcançada à época.

Pouco antes, também em pronunciamento no rádio e na TV, ele já havia minimizado a gravidade da doença e classificado a covid-19 como "gripezinha".

Veja as diferenças entre o pronunciamento desta quarta-feira (2) e declarações anteriores de Bolsonaro:

Mortes pela covid-19

2 de junho de 2021 - "Sinto profundamente"

Sinto profundamente cada vida perdida em nosso país.

20 de abril de 2020 - "Não sou coveiro"

Ô, ô, ô, cara. Quem fala de... Eu não sou coveiro, tá?
Jair Bolsonaro, em resposta a um repórter

29 de março de 2020 - "Todos nós iremos morrer um dia"

Essa é uma realidade, o vírus está aí. Vamos ter que enfrentá-lo, mas enfrentar como homem, p..., não como um moleque. Vamos enfrentar o vírus com a realidade. É a vida. Todos nós iremos morrer um dia.
Jair Bolsonaro, após passeio em Ceilândia (DF)

24 de março de 2020 - "Gripezinha"

Pelo meu histórico de atleta, caso eu fosse contaminado pelo vírus eu não precisaria me preocupar -- ou um 'resfriadinho' ou 'gripezinha', como disse aquele conhecido médico daquela conhecida televisão.
Jair Bolsonaro, em referência a Drauzio Varella e à TV Globo

Vacinação

Jair Bolsonaro - Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo - Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
Imagem: Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo

Hoje, o presidente também comemorou a marca de 100 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 distribuídas a estados e municípios. Mas, em outubro, ele chegou a desautorizar seu então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ao cancelar o acordo com o Instituto Butantan para a compra de doses da CoronaVac e dizer que "toda e qualquer vacina está descartada".

O tom se manteve em dezembro de 2020, quando Bolsonaro questionou os possíveis efeitos colaterais dos imunizantes, tomando como exemplo o da Pfizer/BioNTech. Na ocasião, ele afirmou não haver garantias de que a vacina não transformaria quem a tomasse em um jacaré — frase hoje muito usada por opositores para cutucá-lo.

2 de junho de 2021 - "Todos serão vacinados"

Neste ano, todos os brasileiros, que assim o desejarem, serão vacinados. Vacinas essas que foram aprovadas pela Anvisa.

17 de dezembro de 2020 - "Virar jacaré"

Lá no contrato da Pfizer, está bem claro: 'Nós [a Pfizer] não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral'. Se você virar um jacaré, é problema seu. (...) Se você virar Super-Homem, se nascer barba em alguma mulher aí, ou algum homem começar a falar fino, eles não têm nada a ver com isso.
Jair Bolsonaro, em discurso em Porto Seguro (BA)

10 de novembro de 2020 - "Mais uma que Bolsonaro ganha"

Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Doria queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la. O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha.
Jair Bolsonaro, em comentário no Facebook

21 de outubro de 2020 - "Vacina está descartada"

Toda e qualquer vacina está descartada. Tem que ter uma validade da Saúde e uma certificação por parte da Anvisa também.

Já mandei cancelar, o presidente sou eu, não abro mão da minha autoridade (...) Até porque estaria comprando uma vacina que ninguém está interessado nela, a não ser nós.
Jair Bolsonaro, após visita a instalações da Marinha em Itaperó (SP)

Política