PUBLICIDADE
Topo

Política

Renan Calheiros diz que Braga Netto tenta 'amedrontar pelo terror'

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid - Pedro França/Agência Senado
O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid Imagem: Pedro França/Agência Senado

Lucas Valença

Do UOL, em Brasília

22/07/2021 11h48

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que a democracia brasileira "é alvo de uma gravíssima ameaça" e que o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, tenta "amedrontar a sociedade pelo terror".

"Braga Netto se revela: foi colocado onde está exatamente para isso, para ameaçar as instituições democráticas", afirmou o político pelo Twitter.

O comentário do alagoano diz respeito à reportagem do jornal O Estado de S. Paulo sobre as possíveis ameaças do militar de que não haveria eleições em 2022, caso o Congresso não aprovasse o voto impresso.

Segundo Calheiros, as declarações do general são "irresponsáveis e inconsequentes" e "ofendem a Constituição e o povo brasileiro".

"Ele tem que ser exonerado o quanto antes, removido do posto que ocupa. É um elemento perigoso para a democracia que todos. O Brasil não pode se sujeitar ao capricho de mantê-lo onde está", escreveu.

Mais cedo, o ministro Braga Netto leu uma nota oficial do ministério em um evento sobre a proteção da Amazônia. O texto do documento, porém, não desmentiu a informação de que os militares poderiam suspender as eleições de 2022.

A reportagem sobre a suposta ameaça feita pelo militar, por meio de um interlocutor, ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo o jornal, Braga Netto teria pedido, acompanhado dos representantes militares do Exército, Marinha e Aeronáutica, "para comunicar, a quem interessasse, que não haveria eleições em 2022, se não houvesse voto impresso e auditável". Importante ressaltar que o voto da urna eletrônica já é auditável.

Também pelo Twitter, o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, disse que conversou com Braga Netto e com Arthur Lira e que ambos desmentiram "enfaticamente" a ameaça de um possível golpe contra as instituições democráticas.

"Temos uma Constituição em vigor, instituições funcionando, imprensa livre e sociedade consciente e mobilizada em favor da democracia", escreveu.

Eduardo Paes (PSD), prefeito do Rio de Janeiro, declarou no Twitter ser "inaceitável que se tente colocar sob suspeita esse sistema [eleitoral] e a democracia".

"Já disputei 8 eleições. Ganhei 6. Perdi 2. Fiquei feliz nas que ganhei e triste nas que perdi. Minha tristeza nunca foi por não confiar no sistema eleitoral brasileiro. Ao contrário, só disputei eleições com o sistema atual e ele funciona e tem credibilidade. 1/2", começou.

"Inaceitável que se tente colocar sob suspeita esse sistema e a democracia. Quem apostar nisso vai se dar mal. O melhor a fazer — principalmente para quem está no poder — é governar bem. Se for bem, o povo reconduz. Se for mal, manda pra casa. Simples assim. Vão trabalhar! 2/2."

Política