USP cria teste que detecta se você já teve zika; exames eram insuficientes

Mirthyani Bezerra

Do UOL, em São Paulo

  • iStock

Um teste desenvolvido por pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) consegue diagnosticar de forma mais precisa se a pessoa já foi infectada pelo vírus da zika. Por meio de técnicas de biologia molecular, eles desenvolveram uma proteína que só reage especificamente com anticorpos produzidos pelo organismo após a infecção pelo vírus da zika. 

A inovação é importante porque os exames utilizados na rede pública e privada até o momento ou só eram capazes de perceber o vírus ativo no corpo, o que só é possível durante os dias de infecção, ou são considerados pouco confiáveis e de alto custo, porque dão resultados errados em vários casos.

Até agora não tínhamos esse grau de precisão. Conseguimos produzir o teste de maneira bastante eficaz e com um baixo custo, diferente dos testes já disponíveis

Edison Luiz Durigon, pesquisador da USP

O teste, do tipo Elisa (ensaio de imunoabsorção enzimática, em sigla em inglês), já foi distribuído para os laboratórios do Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, e da Fiocruz. E, em breve, será produzido em larga escala pelo Instituto Butantan. A técnica já é bastante utilizada nos laboratórios públicos. "Os profissionais já sabem aplicar esse teste, por isso, é fácil de ser distribuído na rede pública", conta.

Teste ajudará a ter real dimensão de surto

O único teste capaz de diagnosticar corretamente se uma pessoa foi infectada pelo vírus da zika, até o momento, era o exame por PCR (Reação em Cadeia da Polimerase, na sigla em inglês). Como ele só detecta o vírus enquanto ele está ativo, só era eficiente para dizer se a pessoa estava naquele momento durante a fase aguda da doença.

O problema é que a maior parte das pessoas que pegam zika não tem sintomas (4 em cada 5). Assim, era impossível, por exemplo, saber quantas pessoas no Brasil tiveram a doença desde o ano passado. Ou ainda, saber se todos os bebês nascidos com lesões neurológicas foram infectados pelo vírus. Para isso é preciso estudar os anticorpos criados.

Os pesquisadores da USP analisaram anticorpos em amostras de sangue de oito mulheres de Itabaiana (SE), município com um dos maiores índices de microcefalia associado ao vírus da zika em relação ao tamanho da população no país. Os exames deram positivo para sete dos casos, nas mulheres e em seus bebês com microcefalia, o que não havia sido confirmado por outros métodos de diagnóstico disponíveis.

O teste sorológico, que analisa os anticorpos, ajudará a dar a real dimensão da epidemia de zika no país, explica o infectologista Marcos Boulos.

Por que é tão importante?

O fato está sendo celebrado por cientistas, já que os dois outros testes sorológicos disponíveis até então davam muitos resultados falso positivos, ou seja, resultados positivos que eram negativos na verdade -- a eficácia gira em torno de 50%.

Os vírus da zika, dengue e chikungunya são muito parecidos. Por isso, às vezes se reconhecem os anticorpos como sendo de um e na verdade é do outro, ou seja, existe uma relação cruzada

Marcos Boulos, infectologista da USP

Celso Granato, infectologista do Fleury Medicina e Saúde, afirmou que a descoberta é uma "notícia excelente". O laboratório privado manda as amostras biológicas para o Instituto de Medicina Tropical de Hamburgo, na Alemanha, para análise sorológica, enquanto espera receber os testes sorológicos aprovados pela Anvisa.

"Mas, todos esses testes têm reatividade cruzada com o vírus da dengue e, em alguns casos, com o de febre amarela. Ou seja, pode dar positivo para zika porque a pessoa já teve dengue ou foi vacinada contra febre amarela" explica.

No Fleury, o teste sorológico custa R$ 900 e o PCR - produzido pelo próprio laboratório - custa R$ 1.160.

Veja quais testes estão disponíveis no Brasil

Sorológico da USP

Desenvolvido pelo ICB, é o primeiro que consegue identificar anticorpos específicos da zika com alta eficiência. Foi distribuído para o Instituto Adolfo Lutz e laboratórios da Fiocruz. Uma parceria com o Instituto Butatan, de São Paulo, promete disponibilizar o teste para outros laboratórios da rede pública de saúde.

PCR da Fiocruz

Exame de análise genética oferecido pelo Ministério da Saúde. Está disponível gratuitamente na rede pública, mas só faz diagnóstico para o vírus da zika enquanto durar o período de infecção, cerca de cinco dias

PCR para bolsas de sangue

Desenvolvido pela Fundação Pró-Sangue, é capaz de identificar vírus da zika ativo em bolsas de sangue. O teste já está sendo usado pelo Hemocentro de São Paulo, para evitar contaminação de grávidas e fetos por transfusão de sangue. Em breve, será utilizado nos hemocentros de outros Estados brasileiros.

Sorológico Biocan Diagnostics

Produzido pelo laboratório canadense, o exame detecta os dois tipos de anticorpos e promete diagnóstico em 15 minutos. Especialistas alertam, no entanto, que pode dar falso positivo em pacientes que já tiveram dengue ou foram vacinados contra febre amarela. Custa cerca de R$ 550 nos laboratórios das redes Delboni e Lavosier

Sorológico Euroimmun

O laboratório alemão oferece dois testes, um para identificação de anticorpos do tipo IgM, produzidos no fim da fase aguda da doença, e o outro para anticorpos IgG, de longo prazo. Aprovado pela Anvisa, o teste também pode dar falso positivo em pacientes que já tiveram dengue, chikungunya ou febre amarela.

PCR Quibasa/Bioclin

Desenvolvido pelo laboratório mineiro Quibasa/Bioclin, foi aprovado pela Anvisa no início de fevereiro. Também utiliza técnica de PCR para fazer o diagnóstico quando o vírus ainda está em circulação na pessoa. Está disponível em laboratórios privados.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos