Topo

EUA autorizam venda da pílula do dia seguinte a partir dos 15 anos

Em Washington

01/05/2013 08h52

A Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos anunciou nesta terça-feira (30) que autoriza a venda, sem necessidade de receita, da pílula do dia seguinte para as adolescentes a partir dos 15 anos.

A autorização revisa uma decisão da FDA que em 2011 havia proibido a venda livre da pílula para as jovens, sem limite de idade, uma proibição que em 5 de abril foi anulada por um juiz de Nova York.

Uso da pílula do dia seguinte ficou menos complicado no Brasil também

O uso da pílula do dia seguinte, uma solução possível para redução do número de gestações não planejadas, esbarra em aspectos socio-econômicos. Um editorial americano comenta o assunto que remete à uma decisão judicial americana e a uma louvável decisão do governo brasileiro

A FDA, no entanto, afirma em um comunicado que sua decisão não está relacionada com a determinação do juiz, mas que responde a um pedido para regulamentar a venda da pílula apresentada por uma filial do fabricante Teva Pharmaceuticals Industries.

A empresa havia solicitado inicialmente permissão para a venda livre da pílula a todas as mulheres em idade reprodutiva, sem importar a idade.

A autorização para a venda a partir dos 15 anos marca um novo capítulo em uma longa batalha de mais de 10 anos nos Estados Unidos sobre o acesso a este mecanismo de contracepção de emergência, que pode evitar a gravidez se for tomado até 72 horas depois de uma relação sexual sem proteção.

Em dezembro de 2011, a FDA esteve a ponto de permitir a venda livre de uma pílula chamada Plan B One-Step, fabricada pelo laboratório Teva Pharmaceuticals, mas a iniciativa foi bloqueada pelo Departamento de Saúde e Serviços Sociais dos Estados Unidos (HHS, em inglês), diante das pressões de grupos conservadores.

Margaret Hamburg, diretora da FDA, ressaltou os benefícios da pílula ao afirmar em um comunicado que "as pesquisas demonstraram que o acesso à anticoncepção de emergência tem o potencial de reduzir ainda mais a gravidez não desejada nos Estados Unidos".





 

 

Notícias