PUBLICIDADE
Topo

Tailândia tem primeiros casos diagnosticados de bebês com microcefalia por zika

Nacho Doce/Reuters
Imagem: Nacho Doce/Reuters

30/09/2016 08h15

As autoridades da Tailândia confirmaram dois casos de microcefalia em bebês de mães contaminadas com o vírus da zika, o que pode fazer do país, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o primeiro do sudeste asiático com o registro de uma contaminação no útero.

"Dois dos três bebês são microcéfalos pelo vírus da zika", anunciou Wicharn Pawan, funcionário do ministério da Saúde.

Na terça-feira, o governo tailandês anunciou suspeitas sobre a microcefalia de três bebês nascidos de mães contaminadas com o vírus zika e que publicaria os resultados das análises nesta sexta-feira.

Na quarta-feira, a OMS informou que se os casos fossem confirmados seriam os primeiros no sudeste da Ásia.

Até o momento haviam sido registrados casos de fetos contaminados por zika durante a gravidez nas Filipinas e na Malásia. Mas não se estabeleceu uma responsabilidade direta pelo vírus.

As autoridades tailandesas acompanham 36 mulheres grávidas infectadas pelo vírus da zika. Oito delas já deram à luz e três bebês nasceram com microcefalia, sendo que apenas dois podem ser atribuídos à zika, de acordo com os exames.

Um quarto bebê, que ainda não nasceu, parece sofrer de microcefalia, mas sem relação com o vírus da zika, de acordo com o ministério da Saúde.

O vírus da zika está presente há vários anos no sudeste da Ásia.

Mas após a divulgação dos casos de microcefalia na América do Sul, a vigilância se tornou mais intensa em outros continentes.

O ministério da Saúde da Tailândia recorda que a cada ano entre 200 e 300 crianças com microcefalia nascem na Tailândia, até agora associada em muitos casos a outras doenças, como rubéola e catapora.