AFP

Ebola

Ebola devasta saúde de sobreviventes a longo prazo

A mais recente epidemia de ebola matou mais de 11 mil pessoas na África. Outras 17 mil pessoas foram infectadas, mas conseguiram sobreviver.

A maioria parte dos sobreviventes, porém, ainda sofre sequelas da doença. Entre os sintomas que surgem seis meses após a alta hospitalar estão fraqueza, perda de memória e depressão.

Um estudo apresentado no encontro anual da Academia de Neurologia nos Estados Unidos, feito com 82 sobreviventes de ebola, apontou que a maioria deles apresentou graves problemas neurológicos no auge da infecção, como meningite, alucinações e até entraram em coma.

Seis meses depois, mais problemas começaram a se desenvolver. Dois a cada três pacientes tiveram sintomas como fraqueza no corpo, dores de cabeça frequentes e depressão. Metade dos sobreviventes também foi diagnosticada com perda de memória.

Outros foram considerados "ativamente suicidas" ou ainda sofriam de alucinações.

"Para essas pessoas o ebola não acabou", disse à BBC a médica Lauren Bowen, do Instituto de Distúrbios Neurológicos e Derrames dos EUA.

Isso porque a infecção devasta o corpo e, ainda que alguns dos sintomas melhorem ao longo do tempo, outros indicam que pode haver danos permanentes ao cérebro.

Ao mesmo tempo, alguns efeitos de longo prazo podem ser atribuídos ao trauma social durante a infecção, já que muitos pacientes enfrentaram o preconceito e o ostracismo de seus parentes e sua comunidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos