PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Reino Unido prepara vacinação de reforço enquanto aguarda dados clínicos

8.dez.2020 O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, aplaude após paciente receber dose da vacina contra covid-19 - Frank Augstein/POOL/AFP
8.dez.2020 O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, aplaude após paciente receber dose da vacina contra covid-19 Imagem: Frank Augstein/POOL/AFP

21/06/2021 16h34

Londres, 21 jun (EFE).- O ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, revelou nesta segunda-feira que o governo está trabalhando em um programa para desenvolver vacinas de reforço contra a covid-19 e antecipa que haverá dados clínicos sobre o assunto "nas próximas semanas".

Em declarações à emissora "BBC", o chefe da pasta de Saúde britânica indicou que as segundas vacinas para combater o coronavírus oferecem uma defesa muito forte, mas os imunizantes de reforço fornecem proteção "ainda maior".

"Agora estamos testando quais combinações de vacinas são mais eficazes. Quando conhecermos os resultados, iremos detalhar os planos completos para o programa de reforço do outono", afirmou Hancock.

As declarações do ministro são divulgadas no mesmo dia em que todas as restrições para conter a pandemia no Reino Unido estavam originalmente programadas para serem suspensas, uma medida que o governo adiou por mais quatro semanas, até 19 de julho, em grande parte devido ao avanço da variante delta do coronavírus.

Apesar disso, algumas medidas foram eliminadas nesta segunda-feira, como a limitação do número de convidados a um casamento para 30 pessoas, embora o distanciamento social e a obrigatoriedade de avaliação de risco continuem a ser aplicáveis.

Da mesma forma, os idosos que vivem em asilos não devem se isolar ao deixar esses centros e podem designar um "cuidador essencial" a quem podem visitar em casa.

Nos últimos dias, as infecções diárias por covid-19 no Reino Unido foram de cerca de 10.000 casos.

Os profissionais de saúde acreditam que o planejamento de um programa de vacinação de reforço deve começar agora, enquanto tentam responder a perguntas como quanto tempo dura a imunização fornecida pela vacina original ou se as crianças já devem ser imunizadas.

"Nas próximas semanas, quando obtivermos os dados clínicos sobre quais combinações são mais eficazes, vamos acertar todos os detalhes sobre o programa de vacinas de reforço para o outono", antecipou hoje o ministro.

Uma fonte governamental citada hoje pela "BBC" destacou que o Reino Unido também se beneficiará de novas vacinas, como as desenvolvidas pela Novavax e Valneva, que aguardam aprovação das agências reguladoras britânicas.

Até agora, quase 60% da população adulta do Reino Unido já recebeu duas doses da preparação, enquanto mais de quatro em cada cinco adultos foram inoculados com a primeira dose.

Saúde