Ministro diz que risco de contaminação por zika na Olimpíada é 'quase zero'

No Rio

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse a jornalistas estrangeiros, nesta sexta-feira (10), que o risco de contaminação pelo vírus da zika durante os Jogos Olímpicos no Rio, em agosto, é "baixíssimo", "quase zero".

Ele lembrou que, em 2014, durante a Copa do Mundo, a expectativa era de um surto de dengue, também transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o que não ocorreu.

Barros mostrou números comparativos da Copa e dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos para sustentar a tese de que não há motivos para os estrangeiros temerem a vinda ao Rio. Mostrou, como exemplo, que a Copa aconteceu em 12 cidades, recebeu 1,4 milhão de estrangeiros e só 0,2% dos torcedores precisou de algum tipo de atendimento médico. Para a Olimpíada e a Paraolimpíada, a expectativa é de 350 mil a 500 mil turistas estrangeiros, além de 10,9 mil atletas.

O principal argumento do ministro é a baixa incidência do Aedes no Rio durante o inverno. "Em 2016, a queda da incidência de dengue caiu antes do que aconteceu em outros anos, muito porque há um esforço maior do controle do mosquito e também pelas condições climáticas. Espero que os atletas que estão em dúvida possam rever sua decisão", afirmou.

O ministro falou no Rio a jornalistas europeus, asiáticos e dos Estados Unidos. Ele não respondeu, na entrevista coletiva convocada apenas para a imprensa internacional, a perguntas de jornalistas brasileiros. Não foram feitos questionamentos fora do tema dos Jogos Olímpicos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos