Pressão social contribui para obsessão por corpo perfeito, diz psiquiatra

Do UOL, em São Paulo

Os casos de pessoas que arriscam a própria vida na busca por um corpo perfeito têm sido cada vez mais comuns. Em entrevista ao UOL, a psiquiatra Ana Gabriela Hounie afirma que um dos motivos para isso é a pressão da sociedade ao estimular um padrão de beleza ilusório.

"O que você vê sempre são modelos lindas, maravilhosas, perfeitas e que não têm nenhum defeito. Não tem ninguém com defeito porque sai tudo no Photoshop. Isso cria uma ilusão da realidade", afirma a médica, que é membro da Associação Brasileira de Psiquiatria. "As pessoas começam a ter um ideal, um objetivo, que não existe na realidade."

Um dos temas pesquisados por Hounie é o transtorno dismórfico corporal, ou dismorfofobia, que ocorre quando uma pessoa tem uma preocupação obsessiva com um defeito pequeno, ou que sequer existe, em sua aparência física.

Leia abaixo os principais trechos da entrevista com a psiquiatra Ana Gabriela Hounie sobre os casos em que a busca por um ideal de beleza se torna um problema de saúde.

UOL - Em que circunstâncias a insatisfação com o próprio corpo pode ser considerada um transtorno de imagem?

Ana Gabriela Hounie - Existe o que a gente chama de distúrbio do esquema corporal, que é maneira como a pessoa se percebe. Uma pessoa que tem anorexia nervosa, apesar de estar extremamente magra, até esquelética, se acha e se vê gorda. Se você pede pra ela fazer o desenho dela própria, ela é capaz de fazer o desenho de uma baleia. É uma modificação na percepção que a pessoa tem do próprio corpo.

Quando isso se refere a um defeito no corpo, é um transtorno dismórfico corporal. A pessoa acha que tem uma deformidade. Há os casos em que a pessoa é perfeita, não tem nenhum problema, e aí ela se vê deformada. E há aqueles casos em que às vezes ela tem um defeito pequeno, real, mas exagera e sofre enormemente com aquilo e acaba procurando cirurgias plásticas, tratamento etc.

UOL - Este tipo de distúrbio está se tornando mais comum?

Hounie - Ele é mais comum atualmente por conta das exigências da sociedade, que estimula esse consumo do perfeito, do melhor. O que você vê sempre são modelos lindas, maravilhosas, perfeitas e não têm nenhum defeito. Não tem ninguém com defeito porque sai tudo no Photoshop. Isso cria uma ilusão da realidade. As pessoas começam a ter um ideal, um objetivo que não existe na realidade. E isso é uma pressão da cultura. Isso favorece que as pessoas predispostas a ter problemas psiquiátricos, como a depressão ou a ansiedade, adoeçam neste sentido.

UOL - A incidência é maior entre mulheres? Está crescendo entre homens?

Hounie - Em geral, são as mulheres que têm mais este tipo de problema. Mas, mais recentemente, tem aumentado entre os homens. Com a popularização do fisiculturismo e do uso de anabolizantes, até criaram um termo novo, que é a vigorexia, quando o cara é todo fortão, saradão, mas se olha no espelho e se acha esquálido.

UOL - Como se dá esse processo de insatisfação permanente com o próprio corpo?

Hounie - A pessoa tem uma obsessão por ficar com aquele corpo perfeito ou por ter determinado atributo. É uma coisa que toma a vida da pessoa, que só pensa naquilo, vive em função daquilo. Em geral, começa com uma cirurgia mais simples, no nariz, por exemplo. Depois, começa a achar que o queixo também não é perfeito, aí vai e faz uma operação no queixo. São pessoas que ficam sempre insatisfeitas, mesmo se o resultado da cirurgia ficar bom, elas continuam achando que precisam mudar mais. A pessoa começa aos pouquinhos, mas daqui a pouco está deformada. O Michael Jackson, por exemplo, era um e morreu outro.

Se o cirurgião plástico não for uma pessoa ética e operar tudo o que as pessoas pedem, então a quantidade de cirurgias vai ser infinitamente alta. O que acontece é que, muitas vezes, os cirurgiões percebem quando o paciente tem um problema (psiquiátrico). Quando desconfiam que tem alguma coisa neste sentido, os cirurgiões pedem avaliação psiquiátrica e psicológica.

UOL - Como diferenciar o que é apenas um traço de comportamento de um distúrbio psiquiátrico?

Hounie - Depende da importância que a pessoa dá àquilo na vida. Se a pessoa vive em função daquilo, só se preocupa com aquilo, deixa de ter relacionamentos normais por conta de um defeito, é o caso. Sempre que há um prejuízo na vida da pessoa, seja social, profissional ou familiar, se tem um sofrimento ou algum impacto na vida, isso já é considerado patológico.

UOL - Quais as consequências mais graves dos transtornos de imagem?

Hounie - As cirurgias podem dar errado, podem acontecer infecções. Ela vai acabar deformada. No caso de pessoas que usam anabolizantes, elas podem ter problemas por conta do uso de substâncias: desenvolver câncer, hepatite tóxica - porque essas substâncias são tóxicas para o fígado. Depende do tipo de sintoma que a pessoa tem.

UOL - Quem sofre de um transtorno de imagem tem consciência dos riscos dos procedimentos estéticos a que se submete?

Hounie - Algumas pessoas têm noção do risco, mas elas se sentem tão angustiadas com esse 'defeito' que encaram o risco e dizem que vale a pena. E tem outros que não têm a menor noção. Por isso que elas vão para vários cirurgiões. Se ela vai para um cirurgião, e ele se recusa a fazer a operação, vai para outro e acaba conseguindo ser operada.

UOL - Quais são os tipos mais comuns de transtornos de imagem?

Hounie – Tem a anorexia nervosa, em que a pessoa está magra e acha que está gorda. Na bulimia, são pessoas que não estão satisfeitas com o próprio corpo e comem porque têm compulsão por comida, depois se sentem culpadas, ficam com medo de engordar e provocam o vômito. Enquanto a anoréxica é magra, a bulímica, em geral, é gordinha, tem o peso normal ou está acima do peso.

Tem também a compulsão alimentar periódica: são pessoas que não chegam à gravidade de vomitar ou de usar diurético, laxante, esse tipo de coisa, mas têm uma compulsão por comida. Quando estão angustiadas, elas atacam a geladeira, tomam dois litros de sorvete e, depois, ficam arrasadas porque comeram demais, acabam passando mal porque comeram muito.

Nos homens, você pode ter também a anorexia nervosa. É raro, mas pode acontecer. E agora tem essa variante, a vigorexia, em que ele se acha fraco, mas, na verdade, está forte. Então ele não precisaria fazer nada, mas mesmo assim acha que está fraco e aí toma mais bomba, tem uns que injetam silicone para parecer que o músculo é maior.

E tem o transtorno dismórfico corporal, em que as pessoas acham que têm algum defeito -- defeitos no rosto ou cabelo, por exemplo. Agora há pessoas que fazem muito implante de cabelo porque não aceitam a calvície.

UOL - É correto falar em vício em exercícios físicos? Quando o excesso de atividade física pode configurar um problema psiquiátrico?

Hounie - O exercício físico pode viciar porque a liberação de adrenalina e endorfina é prazerosa. O problema é quando isso foge do normal, e a pessoa prefere fazer exercícios em vez de sair para namorar ou ir ao cinema, por exemplo. Ela limita toda a outra parte da vida dela porque o exercício físico toma um lugar preponderante. E um exercício físico que não seria necessário porque ela está bem. Mas fica obcecado por exercício.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos