Topo

Médico desiste com distância e acesso ruim, diz chefe de secretários no PA

Comunidade de Cametá, no Pará, distante da capital, Belém, tem viagem de mais de 40 km de barco para chegar à região ribeirinha - Reprodução/Facebook
Comunidade de Cametá, no Pará, distante da capital, Belém, tem viagem de mais de 40 km de barco para chegar à região ribeirinha Imagem: Reprodução/Facebook

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

24/11/2018 04h00

A informação de que 92% das vagas deixadas pela saída dos médicos cubanos já foram preenchidas por brasileiros até esta sexta-feira (23) trouxe certo alívio aos gestores de saúde, mas eles ainda têm dúvidas sobre a apresentação e alocação deles.

O problema é saber se esses profissionais vão aceitar o trabalho em áreas mais remotas, de acesso difícil e com problemas de infraestrutura, como inexistência de sinal de internet e fornecimento de energia instável.

O vice-presidente do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde e presidente do Conselho de Secretários de Saúde do Pará, Charles Tocantins, afirma que é comum profissionais se inscreverem no programa para a vaga de um município no seu estado e depois desistirem, ao serem informados de que se trata de um comunidade remota.

O vice-presidente do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde, Charles Tocantins (em pé) - Reprodução/Facebook
O vice-presidente do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde, Charles Tocantins (em pé)
Imagem: Reprodução/Facebook

"Quando você vê e inscreve para um município, acha que vai trabalhar na sede. Aí, quando descobre que é um local a 100, 200 km de chão batido ou de barco, desiste da vaga", conta o secretário de Saúde de Cametá (a 650 km de Belém fazendo o trajeto de carro) em entrevista ao UOL.

"Isso é comum. Já tive pelo menos três brasileiros na minha cidade que se apresentaram e, ao saberem que, para chegar à localidade, era preciso viajar de barco por 40, 50 km, deixaram a comunidade sem médico. Os cubanos foram os que ficaram", disse ele.

Cametá tem 136 mil habitantes e fica às margens do rio Tocantins. Das 17 equipes do programa Mais Médicos, cinco cubanos se desligaram do programa --justamente o que cobriam as áreas mais longínquas do município ribeirinho. Outros 12 brasileiros seguem em seus postos.

O secretário afirma que fixar um médico em certas localidades sempre foi tarefa difícil. "Lá tem casa para ele, água, mas não tem conexão de internet. A energia não é assídua e chega a falhar muitas vezes. E, principalmente, tem o problema do deslocamento: não há locomoção noturna de barco, por exemplo. Alguns profissionais reclamam também que, pelo fato de morarem lá, sempre são chamados para uma emergência, é quase um trabalho 24 horas", conta.

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Cubanos com "papel disciplinador"

Para Charles, os cubanos tiveram importantes papéis nas localidades mais remotas do país, tendo, segundo ele, um "papel disciplinador" em termos de cumprimento de carga horária e aceitação a trabalhar em locais extremamente pobres e de precária infraestrutura.

"O CFM [Conselho Federal de Medicina] sempre disse que as unidades básicas de saúde não dariam condições de se exercer a atividade. Fizeram um estudo e apontaram que tantas unidades são precárias, tantas outras são sem banheiro. Com o Mais Médicos, a gente provou que, mesmo com as precariedades, é possível ter atendimento médico em locais mais distantes e pobres", diz.

O último levantamento do CFM foi apresentado em agosto e apontou que 24% das unidades de saúde fiscalizadas entre 2014 e 2017 tinham mais de 50 desconformidades em normais sanitárias

Sobre a carga horária, ele afirma que, antes do Mais Médicos, era comum profissionais brasileiros imporem um trabalho de menos de oito horas por dia e menos de quatro dias na semana para aceitarem essas vagas.

"O médico fingia que trabalhava, e o secretário fingia que fiscaliza e pagava. Agora isso está sendo coibido, porque é uma irregularidade, é crime de falsidade. A gente sempre informa ao gestor que ele tente conversar, conscientizar, e orientamos não aceitar condições. Espero que isso não ocorra com esses novos médicos", finaliza.

Acesso difícil complica tarefa de manter médicos na região de Cametá (PA) - Reprodução/Facebook
Acesso difícil complica tarefa de manter médicos na região de Cametá (PA)
Imagem: Reprodução/Facebook

Mais Notícias