Topo

Justiça autoriza mãe de jovem com epilepsia a cultivar maconha em casa

Ricardo Borges/UOL
Imagem: Ricardo Borges/UOL

Do UOL, em São Paulo

08/11/2019 11h04

Resumo da notícia

  • Justiça autorizou que mulher de Ubatuba (SP) cultive maconha para produzir óleo de extrato da cannabis sativa para tratar a filha
  • A jovem sofre com epilepsia e deficiência intelectual grave e tem cerca de 20 convulsões violentas ao dia
  • Médico receitou medicamento à base de canabidiol produzido nos EUA que chega a custar R$ 5 mil, valor que a família não tem condições de arcar
  • Na sentença, juiz destacou que o direito à saúde e à vida humana devem prevalecer

A Justiça autorizou que uma mulher de Ubatuba, no litoral paulista, possa cultivar maconha em casa para produzir óleo de extrato da cannabis sativa para tratar a filha, que sofre com epilepsia e deficiência intelectual grave.

De acordo com comunicado da Defensoria Pública de SP, responsável por mover a ação que buscou salvo-conduto para a família, a jovem tem cerca de 20 convulsões violentas ao dia.

O médico que acompanha o tratamento receitou um medicamento à base de canabidiol produzido nos Estados Unidos. No entanto, o medicamento chega a custar R$ 5 mil, valor que a família não tem condições de arcar.

A família, então, recorreu à Justiça para tentar a produção própria sem que houvesse prisão e persecução penal da mãe ou apreensão e destruição das plantas, cultivadas para fins de tratamento.

O pedido feito pelo defensor público Wagner Giron, da Defensoria Pública em Taubaté, foi acatado pelo juiz Fabrício José Pinto Dias. Ele expediu o salvo conduto em caráter liminar, destacando que o custo do remédio está muito além das condições financeiras da família.

"A potencialidade profilática da substância é conhecida mundialmente e existem diversos relatos que seu uso devolveu qualidade de vida aos pacientes. Nessa irresistível vereda, o direito à saúde e à vida humana devem prevalecer, porque são valores soberanos e inegociáveis, dignos de uma sociedade que acima de tudo busca a humanidade como centro de todas as questões jurídicas e políticas", afirmou o magistrado na sentença.

Saúde