Topo

Cubano xingado de escravo celebra novo Mais Médicos: 'querem nossa volta'

Juan Delgado é vaiado ao chegar ao Brasil em 2013 - Jarbas Oliveira/Folhapress
Juan Delgado é vaiado ao chegar ao Brasil em 2013 Imagem: Jarbas Oliveira/Folhapress

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

01/12/2019 04h01

Resumo da notícia

  • Juan Delgado virou símbolo do programa Mais Médicos ao chegar ao Brasil
  • Chamado de "escravo" por médicos brasileiros, ele diz que superou o preconceito
  • Câmara aprovou o Médicos pelo Brasil e a reincorporação dos cubanos que ficaram no país

O cubano Juan Melquiades Delgado, 55, virou símbolo do programa Mais Médicos assim que chegou ao Brasil em agosto de 2013. O médico desembarcou no aeroporto de Fortaleza com um grupo de compatriotas colegas de profissão e foi recebido com vaias de médicos brasileiros, que o chamaram de "escravo".

Juan, que pelos quatro anos seguintes trabalhou em tribos indígenas, perdeu o emprego após o fim do convênio entre Brasil e Cuba e espera agora voltar à ativa.

Os novos planos de Juan se devem à aprovação pela Câmara dos Deputados da MP 890/19, que reformula o programa e o rebatiza de Médicos pelo Brasil. O texto, que aguarda a assinatura presidencial, permite reincorporar médicos cubanos que permaneceram no Brasil mesmo desligados do programa após 13 de novembro do ano passado. Na data, Havana, que alegou animosidade de Jair Bolsonaro (sem partido), que havia sido eleito presidente, e abandonou o convênio.

A reintegração dos cubanos, também com o objetivo de preencher vagas que seguem ociosas, foi celebrada por Juan.

"Foi uma grande decisão em favor de nós cubanos que ficamos no Brasil com a esperança de voltar a trabalhar com o que gostamos", afirmou ao UOL. "Eu torcia muito por isso."

O desemprego

Dispensado há quase um ano, o médico não conseguiu um novo emprego desde então. "Fui à prefeitura, tentei trabalhar em farmácia, mas não consegui nenhuma vaga", diz ele, que permaneceu vivendo em Zé Doca, cidade do interior do Maranhão para onde ele foi alocado em 2013 pelo Mais Médicos.

Hoje no Maranhão, Juan Melquiades Delgado casou-se com brasileira e se diz adaptado ao país - Arquivo pessoal
Hoje no Maranhão, Juan Melquiades Delgado casou-se com brasileira e se diz adaptado ao país
Imagem: Arquivo pessoal
Quando chegou ao Brasil, Juan passou a cuidar da saúde de tribos indígenas no estado. "Viajava para aldeias próximas e distantes de Zé Doca. A gente embarcava em um carro do governo estadual e visitava as aldeias. Algumas ficavam a 45 minutos de distância, outras levavam quase três horas de viagem", conta.

Quando a tribo era longe, o médico permanecia no local por até três dias. "Os principais problemas eram de nutrição e parasitoides", diz ele, que explica por que preferiu continuar na cidade mesmo sem emprego: "Eu gosto da cidade e tenho família. Eu me casei com uma brasileira em 2016."

Foi graças ao trabalho na aldeia que Juan conheceu a técnica de enfermagem Ivanilda Lopes da Silva, que ainda trabalha com tribos indígenas a serviço do governo do estado. "Não pretendemos ter filhos, mas não penso em voltar para Cuba", afirma.

O médico diz que o único lamento em relação ao país natal é a saudade dos amigos e da família, como a filha de 22 anos. "Em fevereiro fará dois anos que não a vejo."

De volta à ativa

Decidido a permanecer no Brasil, Juan se naturalizou brasileiro este ano. "Meu plano é ficar aqui definitivamente. Quero voltar ao antigo Mais Médicos, retomar os estudos, prestar o Revalida (exame que dá aos médicos formados no exterior o direito de exercer medicina no país) e não ficar mais desempregado."

Juan não sabe, no entanto, quando poderá requerer sua vaga no Médicos pelo Brasil. "Aguardamos primeiro que o presidente assine a Medida Provisória e depois as orientações do Ministério da Saúde. Ainda não sabemos como será nossa reincorporação."

"O preconceito é dos médicos, não do brasileiro"

Juan evita comentar a decisão que resultou no rompimento do programa original. Sobre o preconceito que recebeu ao pisar no Brasil, diz que superou "rapidamente".

Só sofri racismo no Brasil aquele dia. Eu não estava preparado, mas em pouco tempo percebi que o preconceito vinha da classe médica, não do povo, que gosta do trabalho dos cubanos e pede a nossa volta
Juan Melquiades Delgado, médico

Governo lança programa "Médicos pelo Brasil"

Band News

Saúde