PUBLICIDADE
Topo

Governo descarta mais quatro casos suspeitos de coronavírus no Brasil

Autoridades brasileiras descartaram casos suspeitos de coronavírus - Luciana Amaral/UOL
Autoridades brasileiras descartaram casos suspeitos de coronavírus Imagem: Luciana Amaral/UOL

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

23/01/2020 11h25

O Ministério da Saúde descartou mais quatro casos suspeitos do novo coronavírus no Brasil, informou hoje o secretário substituto de Vigilância em Saúde, Júlio Henrique Rosa Crodá.

Além de um caso descartado em Minas Gerais já divulgado, também foram descartados a possibilidade de pessoas infectadas pelo novo coronavírus no Distrito Federal, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo.

O primeiro caso no DF foi reportado 18 de janeiro. Os de Minas Gerais e Santa Catarina foram notificados em 21 de janeiro. Os do Rio Grande do Sul e São Paulo foram informados ontem.

O Ministério da Saúde informou que não há casos confirmados do novo coronavírus registrados no Brasil.

A pasta ressaltou que são consideradas pessoas com febre, tosse e dificuldade para respirar e que tenham viajado para a cidade de Wuhan, na China, ou que tenham tido contato com pacientes infectados nos últimos 14 dias antes do início dos sintomas. Até o momento, Wuhan é a única cidade com transmissão ativa do vírus.

Embora o ministério tenha descartado os cinco casos, nenhum desses pacientes teve testes solicitados especificamente para o coronavírus. Os testes solicitados foram para a detecção do vírus influenza, que não detecta o coronavírus.

Ainda assim, o governo descartou a possibilidade de estarem com vírus vindo da China por não se enquadrarem nos protocolos estabelecidos pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Crodá ressaltou que as causas não são estabelecidas na maioria de pacientes com síndrome gripal e não existe indicação para se testar pessoas que não se enquadrarem nas diretrizes estabelecidas.

Ele disse ainda não haver a necessidade de fazer triagem de temperatura em passageiros que cheguem ao Brasil.

O secretário explicou que, no contexto atual, o vírus é similar a outros dois tipos de vírus já conhecidos - SARS (Severe acute respiratory syndrome, em inglês) e MERS (Middle East respiratory syndrome, em inglês) -, mas com uma pequena mutação.

Ele disse que não há necessidade de alarde no momento e as pessoas no exterior já identificadas com o coronavírus são familiares de pacientes anteriores e profissionais de saúde que cuidaram dos mesmos. Segundo Crodá, não foram comprovadas transmissões de pessoa a pessoa em locais que não o originário do vírus e que receberam medidas preventivas adequadas.

A avaliação de risco sobre a expansão do vírus está sendo feita pela OMS e não existe uma resposta clara por enquanto. Isso ocorre porque ainda não se sabe a forma de transmissão do coronavírus, como se por gotículas, considerado limitado, ou se o vírus pode adquirir habilidades maiores.

Até a meia-noite do dia 22 de janeiro, o comitê de saúde da China havia recebido um total de 571 casos confirmados de pneumonia por nova infecção por coronavírus em 25 províncias, incluindo 95 casos graves e 17 mortes, todos da província de Hubei. Outros 393 casos estão sendo investigados.

Também foram confirmados casos em Taiwan, Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul, com um caso cada, e outros três na Tailândia. Hong Kong e Macau confirmaram o segundo caso em cada localidade.

Apesar de a OMS já ter falado que a propagação do coronavírus é mais fácil do que se esperava com disseminação de segunda e terceiro graus, o Ministério da Saúde disse que os casos continuam restritos ao núcleos familiares de infectados e só quando há a propagação em quarto e quinto graus é que se entende haver uma transmissão mais generalizada.

Por enquanto, o governo federal não emitiu recomendação para que brasileiros não viajem para a China, mas o secretário disse que se deve evitar Wuhan, se possível.

O que é o coronavírus?

Amostras do 2019-nCoV, como é chamado o novo vírus, foram coletadas de pacientes e analisadas em laboratório. Autoridades da China e da OMS concluíram que a infecção é um coronavírus. Os coronavírus são uma ampla família de vírus, mas sabe-se que apenas seis deles (com o novo descoberto são sete) infectam humanos.

Um estudo publicado ontem por cientistas chineses indica que a nova cepa do coronavírus foi provavelmente transmitida ao homem pela carne de cobra. Segundo o estudo publicado no Journal of Medical Virology, o animal —vendido com outros bichos em um mercado na cidade de Wuhan— era o hospedeiro de uma combinação de dois tipos de coronavírus que já matou 17 pessoas na China.

A Síndrome Respiratória Aguda Grave (conhecida pela sigla em inglês Sars), por exemplo, foi causada por um coronavírus. Ela matou 774 das 8.098 infectadas em uma epidemia que começou na China em 2002.

A Sars passou para os humanos a partir de um animal selvagem conhecido como civeta (ou gato-de-algália, parente do guaxinim) -- que era considerado uma iguaria na região de Guangdong, na China.

Para evitar o risco de infecções respiratórias agudas, o Ministério da Saúde recomenda:

  • evitar contato próximo com pessoas que sofrem dessas infecções;
  • lavar as mãos frequentemente, em especial após o contato com pessoas doentes;
  • evitar contato próximo com animais selvagens e doentes em fazendas ou criações.

O Ministério da Saúde também estabeleceu um Centro de Operações de Emergência para monitorar o coronavírus e preparar a rede de saúde para possíveis casos suspeitos.

O comitê está estabelecido agora no nível um, inicial de alerta. Os níveis vão até o três. O comitê já foi instalado recentemente para casos de sarampo, quando do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho e de enchentes no Espírito Santo.

Saúde