PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Comitiva de Bolsonaro que esteve nos EUA passa por exames de coronavírus

Fábio Wajngarten teria testado positivo para o coronavírus - Marcelo Camargo/Agência Brasil
Fábio Wajngarten teria testado positivo para o coronavírus Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Guilherme Mazieiro e Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

12/03/2020 12h01

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e toda a comitiva que esteve em missão oficial nos Estados Unidos, na última semana, passam por exames para coronavírus. Além do presidente, ministros, senadores e secretários estiveram na viagem. Fontes disseram ao UOL que os exames fazem parte de um protocolo.

O secretário de comunicação, Fábio Wajngarten, teve teste positivo para a doença, confirmou o Palácio do Planalto. A informação só foi divulgada após a esposa de Wajngarten, Sophie Wajngarten, afirmar nesta quinta-feira (12), no grupo de WhatsApp das mães da escola onde estudam suas filhas, que seu marido fez o teste do coronavírus e deu positivo.

O chefe da Secom também teve um encontro com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, junto à comitiva do presidente Jair Bolsonaro que foi aos Estados Unidos, conforme registrou em seu Instagram.

De acordo com a agência Reuters, Donald Trump se pronunciou sobre as notícias envolvendo as autoridades brasileiras e disse não estar preocupado com o fato de Bolsonaro estar sendo monitorado, após o encontro entre eles.

O Palácio do Planalto disse que o serviço médico da Presidência da República está adotando todas as medidas preventivas necessárias para preservar a saúde de Bolsonaro e da comitiva presidencial, assim como servidores do Palácio do Planalto.

"O governo brasileiro também já comunicou às autoridades do governo norte-americano a ocorrência do evento para que elas também adotem as medidas cautelares necessárias. O Secretário de Comunicação está cumprindo todas as recomendações médicas, em quarentena domiciliar, e só retornará ao seu trabalho quando não houver risco de transmissão da doença", disse, em nota.

"A recomendação é ficarmos em casa até segunda ordem", informou outro assessor que esteve na comitiva e, por enquanto, ainda não apresentou sintomas da doença.

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, por exemplo, é um dos integrantes da comitiva que não foi trabalhar hoje.

Apesar do crescente número de casos, durante a missão oficial, Bolsonaro disse que a epidemia é uma "fantasia" e "não é tudo isso que a grande mídia propaga". Hoje, ele passa por monitoramentos e desmarcou agenda pública no Rio Grande do Norte.

Participaram da comitiva, os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Bento Albuquerque (Minas e Energia). Entre os senadores estavam Nelson Trad (PSD-MS) e Jorginho Mello (PL-SC).

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Daniel Freitas (PSL-SP) estiveram na viagem. Também participaram o assessor especial Filipe Martins e o presidente da Embratur, Gilson Machado, e o secretário especial de Pesca, Jorge Seif Júnior.

Em nota, a assessoria de Nelsinho Trad informou que o senador realizou exames para verificar se contraiu o coronavírus após a suspeita de que o chefe da Secretaria Especial de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, estava doente, agora confirmado.

O parlamentar informou que vem cumprindo os protocolos do Ministério da Saúde e divulgará o resultado do seu exame quando pronto.

A assessoria do senador Jorginho Mello informou que ele também aguarda o resultado de exames e não apresenta sintomas da doença.

Saúde