PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Chefe da Secom, Fábio Wajngarten testa positivo para coronavírus

Jair Bolsonaro participa de reunião com Fabio Wajngarten (de cabeça baixa) em Jacksonville (EUA) - Alan Santos/Presidência da República
Jair Bolsonaro participa de reunião com Fabio Wajngarten (de cabeça baixa) em Jacksonville (EUA) Imagem: Alan Santos/Presidência da República

Do UOL, em São Paulo

12/03/2020 11h50Atualizada em 12/03/2020 18h42

O secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, testou positivo para coronavírus e aguarda o resultado da contraprova. O exame foi realizado em São Paulo. Wajngarten era um dos integrantes da comitiva que acompanhou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em visita a Donald Trump, nos Estados Unidos, nesta semana.

O UOL apurou que Wajngarten está com um pouco de febre, mas que não apresenta dor ou desconforto. O chefe da Secom não sabe como teria sofrido o contágio. Para reduzir os riscos de proliferação da covid-19, a mulher e as filhas de Wajngarten devem sair da residência da família, no bairro Higienópolis, em São Paulo.

Como teve contato com Wajngarten na viagem aos EUA, o presidente Bolsonaro e as demais pessoas da comitiva passam por exames para coronavírus. Fontes disseram ao UOL que os exames fazem parte de protocolo.

Fabio Wajngarten ao lado do presidente dos EUA, Donald Trump - Reprodução - Reprodução
Fabio Wajngarten (dir.) ao lado do presidente dos EUA, Donald Trump
Imagem: Reprodução

Poucas horas depois, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República disse que adotou todas as medidas preventivas necessárias para preservar a saúde do Presidente da República e de toda a comitiva.

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, afirmou que representantes do Ministério da Saúde participarão de uma reunião na tarde de hoje com a equipe médica da Presidência da República para avaliar a situação.

Segundo Gabbardo, as providências adotadas no caso de autoridades do governo são as mesmas recomendadas para qualquer cidadão. "Há um plano de contingência para todas as pessoas, esse plano não muda se é para o presidente, se é para um ministro, se é para um cidadão que não ocupa uma função pública", disse Gabbardo.

Mas segundo o secretário ainda não estão definidas as medidas que podem ser adotadas nesse caso.

"A recomendação é ficarmos em casa até segunda ordem", informou um assessor que esteve na comitiva e, por enquanto, ainda não apresentou sintomas da doença. O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, por exemplo, é um dos integrantes da comitiva que não foi trabalhar hoje.

Além de Azevedo e Silva e Wajngarten, participaram da comitiva os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Bento Albuquerque (Minas e Energia). Entre os senadores estavam Nelson Trad (PSD-MS) e Jorginho Mello (PL-SC).

Os deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Daniel Freitas (PSL-SP) estiveram na viagem. Ambos passarão por exames na tarde de hoje. Segundo a assessoria de Freitas, ele não apresenta sintomas. Também participaram o assessor especial Filipe Martins e o presidente da Embratur, Gilson Machado, e o secretário especial de Pesca, Jorge Seif Júnior.

Ontem, após a divulgação de que havia passado por exames, Wajngarten foi ao Twitter criticar a imprensa, mas não negou que tenha sido submetido aos testes.

"Em que pese a banda podre da imprensa já ter falado absurdos sobre a minha religião, minha família e minha empresa, agora falam da minha saúde. Mas estou bem, não precisarei de abraços do Drauzio Varella", escreveu, mencionando o médico que passou a ser alvo de ataques após reportagem do Fantástico.

Presidente cancela viagem a Mossoró

A viagem de Bolsonaro para Mossoró (RN) hoje foi cancelada. O presidente participaria nesta quinta-feira à tarde de uma cerimônia de entregas do governo para a região. Seria a sexta viagem oficial dele ao Nordeste. O presidente embarcaria às 13h e voltaria por volta das 20h para a capital federal.

O presidente permanece hoje no Palácio da Alvorada.

No Brasil, o balanço do Ministério da Saúde aponta 60 casos confirmados da doença e 930 casos suspeitos — no entanto, o número total de registros da covid-19 chegou a 78 (com novos casos no Rio de Janeiro e em São Paulo que ainda não foram atualizados no sistema do governo federal)

Ontem, a OMS declarou pandemia para o novo coronavírus, quando uma epidemia — grande surto que afeta uma região — se espalha por diferentes continentes com transmissão sustentada de pessoa para pessoa. Atualmente, há mais de 115 países com casos declarados da covid-19.

Leia a íntegra da nota divulgada pela Presidência da República

"O Serviço Médico da Presidência da República adotou e está adotando todas as medidas preventivas necessárias para preservar a saúde do Presidente da República e de toda comitiva presidencial que o acompanhou em recente viagem oficial aos Estados Unidos, bem como dos servidores do Palácio do Planalto.

Isso porque um dos integrantes do grupo, o Secretário de Comunicação da Presidência da República, Fábio Wajngarten, é portador do novo coronavírus covid-19, confirmado em contraprova já realizada.

O governo brasileiro também já comunicou às autoridades do governo norte-americano a ocorrência do evento para que elas também adotem as medidas cautelares necessárias.

O Secretário de Comunicação está cumprindo todas as recomendações médicas, em quarentena domiciliar, e só retornará ao seu trabalho quando não houver risco de transmissão da doença."

* Com reportagem de Guilherme Mazieiro, Luciana Amaral e Felipe Amorim, do UOL, em Brasília

Saúde