PUBLICIDADE
Topo

Mandetta cita 'oposição' de Terra e fala sobre seu sucessor na Saúde

Do UOL, em São Paulo

15/04/2020 17h38

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, confirmou hoje que segue ainda no cargo, mas espera que seu sucessor tenha a confiança do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e condições de trabalho.

Mais cedo, em reunião com deputados da comissão que acompanha a crise do coronavírus, o ministro relatou que deve ficar no cargo por pouco tempo. Ele contou aos parlamentares que entende que já há decisão do presidente para demiti-lo.

"O importante é que, seja lá quem o presidente colocar no Ministério da Saúde, que ele confie e dê as condições para que a pessoa consiga trabalhar com a ciência e para que a sociedade possa, junto com governadores e prefeitos, tomar as melhores decisões", disse o ministro em coletiva no Palácio do Planalto.

Mandetta ainda citou o nome do ex-ministro e deputado federal Osmar Terra (MDB), que tem uma relação próxima ao governo Bolsonaro, para exemplificar que há opiniões divergentes sobre como cuidar da pandemia no Brasil.

"É uma coisa que acontece: existe claramente uma posição. Não é o presidente, existem outras pessoas, tenho ex-secretários de Saúde que verbalizam diariamente que acham que o caminho é outro, [como] o deputado Osmar Terra, todo dia ele fala", acrescentou o ministro.

Para Mandetta, Bolsonaro deixa claro que quer uma outra visão para o Ministério da Saúde, e que a forma como ele e seus secretários estão trabalhando é a partir de dados científicos.

"Não é que eu seja contra o presidente ou o presidente seja contra mim. São visões diferentes do mesmo problema. Se tivesse uma visão única seria muito fácil de solucionar. Ele [presidente] claramente externa que quer outro tipo de posição por parte do Ministério da Saúde. Baseado no que recebermos, baseado em ciência, esse é o caminho que tenho para oferecer. E fora desse caminho temos que ver outras alternativas", afirmou Mandetta, que apontou ainda que na sua pasta não há "astrólogos" para fazer previsões.

"Vamos conhecendo o vírus dia após dia. Nós não somos astrólogos, nós não fazemos previsões. Nós pegamos as informações e olhamos. Acho que conseguimos tirar aquela curva enorme e conseguimos abrandá-la. Fruto de um sacrifício da sociedade. Agora vamos ver se conseguimos administrar essa curva."

"Só deixo o ministério em três situações"

O ministro da Saúde voltou a dizer que só deixa a pasta em três situações específicas. Uma, segundo ele, se o presidente Jair Bolsonaro não quiser mais o seu trabalho. Outra, se ele pegar a doença e tiver que ficar afastado, "por vontade alheia a sua vontade".

A última alternativa, de acordo com Mandetta, seria se ele sentisse que "seu trabalho não precisa ser continuado porque de alguma maneira passamos por esse estresse".

"Todas essas alternativas continuam sendo válidas. Claramente, há um descompasso entre o Ministério da Saúde e isso a gente colocou e deixa muito claro que vamos trabalhar até 100% de nossas possibilidades. Enquanto estiver no Ministério, nada muda", disse.

Elogio a governadores e prefeitos

Mandetta ainda elogiou o trabalho de governadores e prefeitos que ajudaram a organizar o isolamento social e, consequentemente, administrar a curva de casos diagnosticados de coronavírus.

"O Brasil fez uma boa redução da dinâmica social. O que acontece é que esses países [como Itália e Espanha] demoraram para fazer e a curva subiu muito. Alguns acham que foi exagero, mas, por vias de decisões, principalmente de decisões de governadores e prefeitos, nós passamos duas semanas com redução muito grande da dinâmica social. Houve uma adesão muito grande da sociedade", opinou o ministro.

"Nós apoiamos esse instinto porque apoiamos a vida, a defesa intransigente da ciência. Acho que conseguimos tirar a curva enorme e conseguimos abrandá-la. Agora vamos ver se conseguimos administrar a curva", completou.

Coronavírus