PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Coronavírus: Últimas notícias e o que sabemos até esta quinta-feira (30)

Do UOL, em São Paulo

30/04/2020 14h23

Enquanto políticos divergem sobre ações e medidas como o isolamento, o Brasil já perdeu 5.466 vidas para o novo coronavírus, segundo os dados divulgados ontem pelo Ministério da Saúde. No entanto, esse número é subestimado — do ponto de vista da matemática e também do drama que os dígitos são incapazes de traduzir.

Enquanto hoje Jair Bolsonaro disse que São Paulo infla números - sem mostrar provas - e que não quer divulgar resultado de seus exames para o coronavírus, mortes seguem acontecendo com mais de 400 confirmadas diariamente e o número governamental está defasado por ignorar quem deixou de respirar antes de o resultado do exame ficar pronto e confirmar a infecção por coronavírus.

Brasil chega a 5.901 óbitos

O Ministério da Saúde anunciou hoje que subiu para 5.901 o número de mortes pelo novo coronavírus no Brasil — 435 óbitos confirmados nas últimas 24 horas. Até ontem eram 5.466.

No total, o país chegou a 85.380 casos oficiais, segundo os dados mais recentes do Ministério, com 7.218 diagnósticos novos de ontem para hoje.

Segundo a pasta, ao menos 38.564 pacientes estão em acompanhamento e mais de 34.132 já se recuperaram. 1.452 óbitos seguem em investigação.

A taxa de letalidade — que compara os casos totais pelos números de óbitos confirmados — no Brasil é de 7%, segundo a atualização do governo.

O anúncio de hoje, no entanto, não significa necessariamente que 435 pessoas morreram nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, o Ministério da Saúde tem somado ao balanço diário mortes ocorridas dias atrás, mas com confirmação de covid-19 no último dia.

Especial: números subestimados

Em reportagem especial, o UOL mostra que os números podem parecer pequenos em um país de 210 milhões de pessoas, mas que são limitados e cruéis: enterram debaixo de cifras coletivas histórias individuais de gente como a sargento Magali Garcia, que não fará 47 anos, ou o advogado Maurício Suzuki, morto dias após o 26º aniversário.

Para cada óbito, pode haver outros 3 fora dos números oficiais.

Segundo o Ministério da Saúde, 60% das vítimas da covid-19 eram brancas, 32% pardas e 6%, pretas. 30% tinham menos que 60 anos. Todos tiveram os planos interrompidos por uma doença que ainda não tem cura, mas para a qual há prevenção: o distanciamento social e o fornecimento de equipamentos de proteção para quem precisa continuar trabalhando.

Bolsonaro ataca Doria e não quer revelar teste

Jair Bolsonaro deixou cedo o Palácio da Alvorada hoje, e já disparou contra o governador de São Paulo João Doria, acusando o estado de inflar dados da covid-19. O ataque vem na esteira de um duelo midiático entre os dois, apontados como possíveis candidatos à Presidência da República em 2022. Os atritos ocorrem, em tese, devido a divergências no enfrentamento à covid-19.

"A curva está aí. Partindo do princípio que o número de óbitos é verdadeiro... Cada vez mais chegam informações que o próprio Diário Oficial lá de São Paulo, está escrito lá que, na dúvida, coloca coronavírus. Para inflar o número e fazer uso político disso", declarou Bolsonaro, na manhã de hoje, ao deixar o Palácio da Alvorada. Ele não apresentou provas. Em contato com o UOL, a secretaria de saúde do estado refutou a acusação.

Pressionado a mostrar seus exames para covid-19, o presidente declarou que vai se sentir "violentado" caso seja obrigado por via judicial a dar publicidade ao laudo.

Tem uma lei que garante a intimidade, e a lei vale para todo mundo. A AGU deve ter recorrido e, se nós perdemos o recurso, aí vai ser apresentado. Aí, vou me sentir violentado. A lei vale do cidadão mais humilde até o presidente."

Filho 04 diz que covid-19 é gripezinha e criação da mídia

Jair Renan Bolsonaro, o "filho 04" de Jair Bolsonaro (sem partido), ironizou o coronavírus em um vídeo que vem circulando no Twitter. Ele diz - como o presidente já o fez - que a covid-19 é uma "gripezinha" e defende que a pandemia é uma "história da mídia". A doença já matou mais de 5 mil pessoas no Brasil e 200 mil em todo o mundo.

A declaração aconteceu durante uma transmissão de um game, o PlayerUnknown's Battlegrounds, no Twitch, em 20 de abril.

Vamos pra rua na pandemia, tá ok? Pô, que pandemia, malandro? Isso é história aí da mídia, pra trancar você em casa, achar que o mundo tá acabando. Pô, é só uma gripezinha, irmão, vai tomar no c.... Peguei, passou. Prefiro morrer tossindo que morrer transando"

Mais tarde, ele mostrou uma versão mais longa do vídeo, em que mostra que se confundiu no último trecho.

Lula: Só faltou Bolsonaro falar que vírus sai na urina

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou a postura pública de Bolsonaro, diante da pandemia do novo coronavírus que já matou 5.466 pessoas no país, levando em conta casos oficiais. A conversa foi conduzida no UOL Entrevista, pelo colunista Leonardo Sakamoto.

O presidente disse que era uma gripezinha, que o cara que é atleta como ele ia tirar isso na urina, só faltou falar isso. Mas não é assim, é uma doença desconhecida, cientistas estão orientando. É preciso cuidar, esse é o papel do presidente"

São Paulo pode fechar avenidas; pacientes serão tratados no interior

O governo de SP anunciou que está com 89% de ocupação nas UTIs públicas na Grande São Paulo. Com isso, pacientes começarão a ser levados para tratamento no interior. Além disso, estuda-se fechar grandes avenidas da capital, já que as taxas de isolamento seguem baixas, em 48%. Recomenda-se 70%

"Já há uma decisão tomada: nós não temos como relaxar as medidas de isolamento a partir do dia 10 de maio. Na capital é absolutamente impossível. Ao contrário, estamos iniciando uma discussão na prefeitura pra que a gente possa fortalecer algumas dessas medidas. ", disse o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido em entrevista ao Bom Dia São Paulo, da TV Globo.

O estado segue registrado perto de 200 mortes diárias, o epicentro da covid-19 no país.

RJ: Wietzel prorroga isolamento; bebê é infectado e mãe morre

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), prorrogou até o dia 11 de maio as medidas de prevenção e isolamento para conter as transmissões do novo coronavírus. De acordo com o decreto, escolas públicas e privadas, creches, instituições de ensino superior, cinemas, teatros, academias, centros de lazer e shoppings permanecem fechados.

Eventos esportivos, culturais, shows, feiras científicas, entre outros, em local aberto ou fechado, também seguem suspensos. A recomendação para que a população fluminense não frequente praias, lagoas, rios e piscinas públicas e clubes continua válida para todo o estado.

Enquanto isso, um caso trágico aconteceu em Petrópolis. Uma mãe morreu após o parto de seu bebê, que foi contaminado com a covid-19.

Um bebê internado na UTI neonatal do Hospital Alcides Carneiro (HAC), em Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro. O recém-nascido testou positivo para o novo coronavírus.

A mãe do bebê com covid-19 faleceu poucos dias após o parto por "complicações respiratórias". Ainda não há confirmação se ela estava com o novo coronavírus.

Crise se intensifica em São Luís; Manaus tem SOS funeral

Dos 149 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) disponíveis em São Luís, no Maranhão, 119 estavam ocupados ontem, segundo dados do governo do Maranhão. Quase sem vagas, o governo do estado vai publicar um decreto na próxima semana para endurecer as regras de isolamento social, "próximo ao lockdown" — que é o fechamento total e a proibição de circulação de pessoas.

"O novo decreto vai na direção da restrição de reduzir a circulação de pessoas, se aproximando de lockdown. Estamos analisando a forma e a graduação de atuação para publicar. A previsão é que na terça-feira eu edite esse novo decreto para a capital; para o resto do estado não é necessário", afirmou o governador Flávio Dino (PCdoB).

Mães sofrem com auxílio

Algumas mães que erraram o primeiro cadastro do auxílio emergencial do governo e tentam fazer novas solicitações do benefício estão recebendo uma mensagem de erro, dizendo que os CPFs dos filhos já estão vinculados a uma outra família. As chefes de família têm direito a uma cota dupla do auxílio, ou seja, R$ 1.200. Porém, parte delas está até desistindo de incluir os filhos no cadastro na tentativa de receber ao menos R$ 600.

O UOL ouviu cinco mulheres que tiveram problemas com os CPFs dos filhos após o primeiro cadastro. Duas fizeram o pedido sem dizer que eram chefes de família para ter os R$ 600. Em outros dois casos, para ter o pedido analisado, enviaram um novo cadastro, incluindo apenas um dos filhos, e sem a certeza de que vão receber. Outra mãe diz que fez o pedido, mas não consegue acompanhar a solicitação, e não sabe se precisa fazer novo cadastro.

Em nota, a Caixa informou que o aplicativo e site do auxílio emergencial são atualizados periodicamente.

A excreção viral do coronavírus em uma célula morta

Uma pesquisadora norte-americana conseguiu capturar imagens que mostram o momento em que acontece a excreção viral do novo coronavírus de uma célula morta.

Imagem do coronavírus deixando uma célula infectada para se multiplicar, divulgada por médicos do Instituto Nacional de Saúde (NIH) dos EUA - Divulgação/NHS - Divulgação/NHS
Imagem do coronavírus deixando uma célula infectada para se multiplicar, divulgada por médicos do Instituto Nacional de Saúde (NIH) dos EUA
Imagem: Divulgação/NHS

De acordo com a explicação do diretor do instituto, o geneticista Francis Collins, as dobras e saliências marrom-alaranjadas fazem parte da superfície de uma única célula que foi infectada pelo SARS-CoV-2, enquanto as pequenas esferas azuis emergentes da superfície da célula são partículas do vírus.

Pesquisas: Estudo animador com anticorpos e quem se infecta mais

Na China, um estudo publicado ontem pela Nature Medicine, prestigiada revista de ciência britânica, mostrou que 100% das pessoas que conseguiram se recuperar da doença causada pelo coronavírus criaram anticorpos que podem garantir sua imunidade contra a covid-19. A pesquisa deixa a ciência mais próxima de um consenso sobre se quem supera a doença pode desenvolvê-la de novo.

O estudo foi conduzido em três hospitais na cidade de Xunquim, que fica próxima à província de Hubei, epicentro da pandemia na China. Entre os 285 pacientes testados, alguns demoraram quase 20 dias para desenvolverem os anticorpos, enquanto outros já atingiram o ápice da produção em apenas seis dias. Na média, o tempo de produção dos anticorpos foi de 13 dias.

Já uma nova pesquisa divulgada ontem pelo Imperial College, de Londres, apontou que homens e pessoas obesas têm menos chances de sobreviver a diagnósticos graves da covid-19. De acordo com o Departamento de Saúde e Assistência Social britânico, a covid-19 pode ser mais grave em pessoas idosas e com doenças crônicas do coração, pulmão e rins, sistema imunológico enfraquecido, diabetes e alguns tipos de câncer.

No entanto, pouco se sabe sobre como o vírus explora a idade, sexo e outras condições de saúde subjacentes. O estudo acompanhou os casos de 16.749 pacientes diagnosticados com a covid-19 no Reino Unido e envolveu pesquisadores de três universidades.

Inusitado: Mulher usa calcinha de máscara

Diante da proibição de frequentar estabelecimentos comerciais do Rio de Janeiro sem uso de máscaras, uma mulher recorreu a uma solução inusitada para tentar entrar em um supermercado: retirou a calcinha e a vestiu no rosto. A situação, gravada em vídeo e divulgada em redes sociais, ocorreu ontem à tarde.

Nas imagens, feitas em uma unidade do supermercado Guanabara, a cliente tem a entrada vetada pelos seguranças e segue até um canto, onde retira a peça por baixo do vestido, o ergue à vista dos vigias e coloca no rosto.

Coronavírus