PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Trevisan: Promessa vazia de Doria é novo tiro nas costas que eleva rejeição

Do UOL, em São Paulo

05/12/2020 04h00

Sem apresentar nenhum plano concreto, o governador de São Paulo João Doria (PSDB) aproveitou entrevista coletiva ontem no Palácio dos Bandeirantes para criticar a previsão anunciada pelo Ministério da Saúde de iniciar a vacinação contra a covid-19 em março do ano que vem. O tucano garantiu, sem detalhar seus planos, que, em São Paulo, a imunização começará em janeiro.

Colunista do UOL, Maria Carolina Trevisan lembrou que o governador aguardou o fim do segundo turno das eleições municipais para anunciar um retrocesso em todo o estado no Plano São Paulo e, agora, tenta reforçar o papel de antagonista de Jair Bolsonaro (sem partido). A avaliação foi feita no podcast Baixo Clero #68, apresentado por Carla Bigatto e com a participação do também colunista do UOL Diogo Schelp.

"Pode sair esse tiro pela culatra, porque ele está se tornando alvo de todo mundo quando ele se coloca dessa maneira. Ele tem uma alta rejeição — a gente viu isso nesse processo dessa campanha agora das eleições municipais — então talvez isso não esteja funcionando tão bem para ele", disse Trevisan. (Ouça a partir do minuto 6:28)

"Não dá para confiar [nas promessas vazias de Doria]", criticou Trevisan.

"Ele tem feito disso um método. Ele faz a promessa, chama a imprensa, anuncia algo que tem poucas novidades. Nessa coletiva específica de quinta-feira, não tinha novidade nenhuma, e ele fica criando situações para ter notícia positiva para ele mesmo, quando, de fato, a gente precisa conversar sobre detalhes da vacinação que não estão nem claros", disse Trevisan. (Ouça a partir do minuto 2:30)

A colunista do UOL ainda criticou a forma como o governador anunciou o retrocesso do Plano SP.

"Doria deveria estar nesse momento mais recolhido, porque foi feio o que aconteceu. Ele fez o anúncio da regressão do Plano SP no dia seguinte da reeleição do Bruno Covas [PSDB] em São Paulo, ele tinha anunciado outra coisa. Então ele está usando a vacina também para se situar em relação ao Bolsonaro, como se ele fosse a pessoa que poderia fazer esse bloco contra o bolsonarismo mais próximo a 2022", disse Trevisan. (Ouça a partir do minuto 2:30)

"Março [como pretende o governo federal] parece realmente distante. Apesar de a crítica ser, de fato, plausível, talvez ela não devesse sair da boca do Doria, porque o Doria já se tornou especialista em pegar frases do governo, ou do Bolsonaro e dizer o contrário ou usar aquilo para espezinhar o governo", completou Diogo Schelp. (Ouça a partir do minuto 4:35)

Baixo Clero está disponível no Spotify, na Apple Podcasts, no Google Podcasts, no Orelo, no Castbox, no Deezer e em outros distribuidores. Você também pode ouvir o programa no YouTube. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Coronavírus