PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Ex-ministro, Teich estima que 230 mil morreram por causa do coronavírus

Doença é "mais grave que a gripe espanhola", disse o médico - Reprodução
Doença é "mais grave que a gripe espanhola", disse o médico Imagem: Reprodução

Do UOL, em Brasília

25/12/2020 12h22

O ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou nesta sexta-feira de Natal (25) que, por causa da subnotificação, o número de mortes no Brasil por coronavírus é maior que os 190 mil registrados até ontem. O médico estima que aproximadamente 230 mil brasileiros tenham falecido por causa de covid-19 desde o início da pandemia.

"Os números crescem de forma significativa", escreveu ele, em rede social. "Como aconteceu no início da pandemia, não é possível saber onde esses números vão chegar."

"A covid-19 é a pior pandemia que o Brasil já viveu; ela é mais grave que a gripe espanhola", avaliou Teich. Ele fez essa avaliação comparando a população de 30 milhões que o país tinha nos anos 20. A gripe espanhola atingiu o mundo em 1918 e 1919.

À época, morreram 35 mil no Brasil. Em números ajustados por Teich, isso significaria 243 mil mortos, uma quantidade próxima à que acontece hoje por causa da covid. "Esses números mostram como a situação é grave, difícil e incerta."

Teich incentivou que as pessoas se cuidem melhor. E destacou que a realidade das vacinas "parece próxima".

Teich foi ministro da Saúde entre abril e maio. Ele sucedeu o médico Luiz Henrique Mandetta. Os dois deixaram o governo porque divergiram do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na condução científica do combate ao coronavírus.

No lugar deles, o presidente colocou um militar sem formação na área de saúde para comandar o Ministério da Saúde, o general Eduardo Pazuello.

Saúde