PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

SP: Feriado com parques fechados tem cerveja, futevôlei e falta de máscara

21.04.2021 - Pessoas se reúnem na praça Roosevelt, no centro de São Paulo - Leonardo Martins/UOL
21.04.2021 - Pessoas se reúnem na praça Roosevelt, no centro de São Paulo Imagem: Leonardo Martins/UOL

Leonardo Martins

Do UOL, em São Paulo

21/04/2021 19h58Atualizada em 21/04/2021 19h58

Cumprindo o distanciamento social desde o ano passado, Pedro Henrique Leopoldo e Silva, 35, trabalha de home office e é um dos pais que mantêm os filhos em casa na maior parte do tempo para minimizar os riscos de contaminação da covid-19. Nesta manhã, decidiu levar crianças brincar um pouco ao ar livre.

Ele saiu de manhã de Interlagos, onde vive, na zona sul de São Paulo, e atravessou a cidade para levar os três filhos e a esposa ao gramado em frente aos portões 1 e 2 do parque do Ibirapuera, na zona oeste de São Paulo.

Lá, disse não ter se sentido seguro em razão da quantidade de pessoas no gramado. "Tentamos ir até o 'Ibira', mas, além de o parque estar fechado, muitas pessoas se reuniram lá do lado de fora, na praça, e também ao redor. Nem descemos lá", disse.

A reportagem esteve no local e confirmou o relato de Pedro. O gramado, que fica ao lado do monumento Obelisco do Ibirapuera, virou um grande centro de treinamento de futevôlei. Ao menos sete grupos de mais de cinco pessoas montaram redes, trouxeram as bolas e abriram cervejas para jogar ou assistir os amigos batendo bola.

21.04.2021 - Pessoas se reúnem para jogar futevôlei na frente do parque do Ibirapuera, em São Paulo - Leonardo Martins/UOL - Leonardo Martins/UOL
21.04.2021 - Pessoas se reúnem para jogar futevôlei na frente do parque do Ibirapuera, em São Paulo
Imagem: Leonardo Martins/UOL

A máscara de proteção da grande maioria, no entanto, ficou guardada, apesar dos grupos estarem distanciados por mais de três metros. A reportagem viu apenas um esportista dos grupos usando máscara enquanto jogava futevôlei. Outras pessoas também aproveitaram para levar os cachorros para passear.

Um dos jogadores de futevôlei ouvidos pela reportagem, que não quis se identificar, disse que ele e os colega entendem a gravidade da doença, mas que estavam cansados de ficar em casa e que, ali, estavam apenas praticando esporte ao ar livre.

21.04.2021 - Pessoas se reúnem para jogar futevôlei na frente do parque do Ibirapuera, em São Paulo - Leonardo Martins/UOL - Leonardo Martins/UOL
21.04.2021 - Pessoas se reúnem para jogar futevôlei na frente do parque do Ibirapuera, em São Paulo
Imagem: Leonardo Martins/UOL

O segundo destino de Pedro Henrique Leopoldo da Silva e sua família foi a praça Roosevelt, no centro de São Paulo, onde o repórter do UOL encontrou a família sentada em um dos bancos da praça.

"Eu não costumo vir para cá, então achei a praça bem cheia. É complicado. Não me sinto seguro. Nós ficamos em home office desde o começo da pandemia, mas mesmo assim nos contaminamos", disse Pedro Henrique. "Há algumas semanas estamos levando as crianças para passear de carro, só. Não saímos do carro. Mas elas se cansam, sentem faltam de sair, e precisam brincar".

A praça, de fato, tinha pontos de aglomeração de pessoas, onde grupos de mais de cinco jovens se juntaram para beber e ouvir música. Outras pessoas estavam conversando bem espalhadas pelo local, geralmente formando duplas.

21.04.2021 - Pessoas se reúnem na praça Roosevelt, no centro de São Paulo - Leonardo Martins/UOL - Leonardo Martins/UOL
21.04.2021 - Pessoas se reúnem na praça Roosevelt, no centro de São Paulo
Imagem: Leonardo Martins/UOL

Boa parte das pessoas estava sem máscara. Alguns, tiravam para comer ou beber. Mas outros andavam de skate, conversavam ou passeavam pela praça sem a proteção, elementar para evitar uma contaminação pela doença.

Ar livre diminui chance de contaminação, mas máscara é obrigatória

O médico infectologista do Hospital das Clínicas, Evaldo Stanislau, explicou que não há contraindicação de nenhum órgão internacional para a prática de esportes ao ar livre. Mas o médico frisou: "Qualquer atividade em grupo, seja em ambiente fechado ou aberto, é preciso usar a máscara".

"O ar livre diminui a chance de contágio, mas estar ao ar livre e próximo de outras pessoas, o risco de contaminação existe", disse.

Cotidiano