PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Covid: 102,7 milhões de brasileiros completam vacinação, 48,1% da população

Brasil conta com mais de 102,7 milhões de pessoas completamente vacinadas contra a covid-19 - Reginaldo Pimenta/Agência O Dia/Estadão Conteúdo
Brasil conta com mais de 102,7 milhões de pessoas completamente vacinadas contra a covid-19 Imagem: Reginaldo Pimenta/Agência O Dia/Estadão Conteúdo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

15/10/2021 20h02

O Brasil chegou hoje à marca de 102,7 milhões de pessoas que concluíram o ciclo vacinal contra a covid-19. Ao todo, 102.788.608 brasileiros receberam a segunda dose ou a dose única de imunizante contra a doença, o equivalente a 48,19% da população do país. O levantamento é do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte, com base nas informações fornecidas pelas secretarias estaduais de saúde.

Entre ontem e hoje, 971.020 pessoas tomaram a segunda dose. Neste mesmo período, também foram aplicadas 285.301 primeiras e 242.465 de reforço. Devido a uma recontagem nos dados de Ceará e Espírito Santo, o total de aplicações de doses únicas nas últimas 24 horas no país ficou negativo: -19.386.

1 dose - UOL - UOL
Imagem: UOL

O país já conta com 150.944.543 milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose, o correspondente a 70,76% da população nacional. No total, também foram aplicadas 3.616.636 doses de reforço até aqui.

Entre as unidades da federação, o estado de São Paulo continua à frente entre aqueles com a maior parcela de sua população com esquema vacinal completo: 62,63% de seus habitantes. Logo a seguir, vêm Mato Grosso do Sul (60,87%), Rio Grande do Sul (54,38%), Paraná (50,86%) e Espírito Santo (49,11%)

2 dose - UOL - UOL
Imagem: UOL

Com relação à parcela de habitantes que já tomaram a primeira dose, os paulistas também lideram: 79,83% da população local. Rio Grande do Sul (73,47%), Santa Catarina (72,43%), Espírito Santo (72,31%) e Distrito Federal (71,97%) estão na sequência.

Saúde reduz intervalo entre doses de vacina da AstraZeneca

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou nesta sexta-feira (15) a redução do intervalo entre as doses da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca. O prazo a ser respeitado entre a primeira e a segunda doses, que era de 12 semanas, passa agora a 8 semanas, segundo o ministro.

"A partir de agora, o intervalo entre as doses da vacina da AstraZeneca foi reduzido de 12 para 8 semanas. Então, fique atento e não perca o prazo para completar sua imunização. Só assim você garante a máxima proteção contra a covid-19. Vamos voltar à normalidade o mais breve possível!", anunciou Queiroga em seu perfil do Twitter.

Ainda que alguns Estados já tivessem antecipado a data de vacinação da segunda dose para essa vacina, a medida deve impactar brasileiros com idade na faixa dos 30 anos e jovens acima dos 18 que ainda aguardam para completar seu esquema de imunização.

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, g1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes de autoridades e do próprio presidente durante a pandemia colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Saúde