PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Covid: 164,7 milhões de brasileiros completam vacinação, 76,7% da população

Mais de 164,7 milhões de brasileiros completaram a vacinação contra a covid-19 - RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Mais de 164,7 milhões de brasileiros completaram a vacinação contra a covid-19 Imagem: RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Colaboração para o UOL, em São Paulo

10/05/2022 20h03

O Brasil manteve hoje (10) a marca de 164,7 milhões de habitantes com vacinação completa contra a covid-19. Até aqui, 164.787.605 pessoas foram imunizadas com as duas doses ou com a dose única, o equivalente a 76,71% da população do país. O levantamento é do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte, com base nas informações fornecidas pelas secretarias estaduais de saúde.

Nas últimas 24 horas, 68.578 brasileiros tomaram a segunda dose. No mesmo período, 2.747 habitantes tomaram a primeira e 249.205 as de reforço.

Como houve uma revisão nos dados do Rio Grande do Sul, o total de doses únicas aplicadas em todo o Brasil entre ontem e hoje ficou negativo: -15.955.

Até o momento, 177.534.810 pessoas receberam a primeira dose, o que representa 82,64% da população nacional. Já são 88.553.917 brasileiros vacinados com a primeira dose de reforço e 2.041.988 com a segunda de reforço.

Já são 11.962.577 crianças entre 5 e 11 anos imunizadas com a dose inicial, o correspondente a 58,35% da população desta faixa etária; 5.847.819 concluíram o ciclo vacinal (28,53%).

Desde as 20h de ontem, 22 estados atualizaram seus dados de vacinação.

O estado de São Paulo apresenta a maior porcentagem de sua população com vacinação completa: 85,96% de seus habitantes. Piauí (85,52%), Ceará (81,71%), Paraná (79,63%) e Rio Grande do Sul (78,94%) aparecem na sequência.

O Piauí, em termos percentuais, permanece na liderança quanto à aplicação da primeira dose: 93% da população local. A seguir, vêm São Paulo (89,6%), Ceará (86,28%), Paraná (85,27%) e Pernambuco (84,35%).

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, g1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes de autoridades e do próprio presidente durante a pandemia colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Saúde