PUBLICIDADE
Topo

Assassinatos, suicídios, overdose: a maldição dos Kennedy

Em Washington

21/11/2013 11h22Atualizada em 21/11/2013 12h20

"A maldição dos Kennedy volta a atacar", era o título do "The Independent" no ano passado após o suicídio de uma nora de Robert "Bobby" Kennedy, alimentando a ideia de que o clã mais conhecido dos Estados Unidos vive uma eterna tragédia grega.

Como explicar que "cada vez que um Kennedy esteja para alcançar um objetivo ou uma ambição, seja condenado a pagar um alto preço?", se perguntou Edward Klein em seu livro "A Maldição dos Kennedy".

"É preciso voltar à Grécia antiga, aos atreides, a figuras lendárias como Agamenon, Clitemnestra, Orestes e Electra, para encontrar uma família submetida a tal série de calamidades", escreveu.

Desde o assassinato do presidente John F. Kennedy, há 50 anos, o clã teve que enfrentar outro homicídio, de seu irmão Bobby em 1968; a morte, em 1984, por overdose de David, filho de Bobby; e a morte em um acidente de esqui de Michael; outro filho de Bobby, em 1997.

O drama mais recente foi o suicídio de Mary Richardson Kennedy, a segunda esposa de Bobby Junior, em maio de 2012.

Mas foi a morte de John John, filho de JFK e de Jackie Kennedy, na queda de um avião que ele mesmo pilotava, em 16 de julho de 1999, que fortaleceu o mito da maldição.

Essa teoria já havia sido utilizada 30 anos antes pelo senador por Massachusetts, Ted Kennedy, irmão de JFK e de Bobby.

Em um discurso televisionado, a então jovem esperança democrata falava do acidente do Oldsmobile que ele dirigia e que acabou caindo na água na ilha de Chappaquiddick, causando a morte de sua passageira Mary Jo Kopechne.

"Por acaso, uma horrível maldição se abateu sobre todos os Kennedy?", perguntou-se Ted Kennedy nesse discurso de 25 de julho de 1969, pouco mais de um ano depois do assassinato de Bobby.

 

"O encontro entre Hollywood e Washington"

Alguns partidários da teoria da conspiração tentam encontrar alguma explicação nos astros e consultam o mapa astral do patriarca Joseph "Joe" Kennedy, pai de JFK, de Bobby e Ted e de outros seis filhos.

Outros atribuem os horrores desta família ao feitiço que um rabino lançou contra o influente e poderoso empresário, figura política do Partido Democrata, após uma discussão.

Esses argumentos irritam Thomas Maier, jornalista e autor de "The Kennedys: America's Emerald Kings", um livro sobre o destino desta dinastia.

"Falar de maldição, como se um deus místico estivesse vingando algo que os Kennedy tenham feito, é absurdo e profundamente ofensivo para a sua religiosidade" católica, disse Maier à AFP.

Ele ressaltou que, com Joe Kennedy, neto de Bobby, como representante no Congresso, o clã tem a sua "quarta geração (dedicada ao) serviço público".

"Nem todas as famílias têm três senadores, um presidente, dois candidatos" à Presidência, considerou Larry Sabato, cientista político da Universidade da Virginia, em uma entrevista concedida à AFP.

"A teoria da maldição é muito popular porque temos observado muito esta família. Conhecemos cada um de seus membros", afirmou.

O acidente de avião de John John em 1999, que também causou a morte de sua mulher, Carolyn Bessette, e de sua cunhada, Lauren, mergulhou em luto, não só os Kennedy, como também todo o país.

"Uma família e um país unidos na dor", era a manchete do jornal britânico The Guardian em sua edição de 23 de julho de 1999.

Se a história destes filhos queridos dos Estados Unidos segue fascinando e intrigando, isso se deve ao fato de representarem "o encontro entre Hollywood e Washington", explicou Sabato.

No fundo é, segundo o jornalista Laurence Leamer - grande conhecedor da dinastia - a história de "uma família de imigrantes. Algo a que todos aspiramos. Todos dizemos a nossos filhos: 'Você pode ser o presidente dos Estados Unidos', mesmo que realmente nós não acreditemos nisso".

Mas, para os Kennedy, o assunto era diferente: "Eles foram criados sabendo que isso era muito possível", disse.