Topo

Israel condena à prisão empregado da ONU que ajudou o Hamas

04/01/2017 18h23

Jerusalém, 4 Jan 2017 (AFP) - Um funcionário palestino da ONU, acusado por Israel de ajudar o movimento islamita Hamas, que governa a Faixa de Gaza, foi sentenciado a sete meses de prisão nesta quarta-feira.

Wahid Borsh, um engenheiro que trabalha no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), detido em julho passado, foi declarado culpado por ter "contribuído involuntariamente com uma organização ilegal", explicou sua advogada, Leah Tsemel, referindo-se ao Hamas, que Israel considera uma formação terrorista.

Wahid Borsh, um habitante de Gaza que tinha 38 anos no momento da prisão, aceitou declarar-se culpado em troca de uma pena menor.

As autoridades israelenses anunciaram suas suspeitas contra Wahid Borsh na mesma ocasião da prisão de outro funcionário humanitário, e os dois casos foram usados como prova de uma malversação sistemática da ajuda internacional.

O Hamas governo a Faixa de Gaza, submetida a um bloqueio terrestre, aéreo e marítimo por parte de Israel, assim como a um rigoroso controle das pessoas e mercadorias que cruzam suas fronteiras.

Dois terços dos dois milhões de palestinos que vivem na Faixa de Gaza tentam superar a crise humanitária com a ajuda externa, cuja chegada depende tanto de Israel como do Hamas.

jod-lal/mer/jvb/lmm/cn

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Internacional