EUA lutam por apoio global contra Coreia do Norte, apesar de dúvidas de Rússia e China

Washington, 30 Nov 2017 (AFP) - Os Estados Unidos lutavam nesta quinta-feira (30) para manter o apoio internacional ante a ameaça nuclear da Coreia do Norte, enquanto a Rússia advertia que as sanções contra Pyongyang fracassaram e a China fugia de um diálogo sobre o embargo petroleiro.

As tensões estão em alta depois que Washington advertiu que o regime de Kim Jong-Un será "totalmente destruído" se sua ambição de desenvolver um arsenal de mísseis nucleares de longo alcance provocar uma resposta militar.

Mas os esforços americanos para isolar Kim, atingir sua economia e forçá-lo a negociar fracassaram, como ficou evidente no lançamento esta semana de um míssil balístico intercontinental (ICBM), capaz de alcançar qualquer ponto dos Estados Unidos.

Também pôs fim a dois meses sem testes de mísseis norte-coreanos, que despertaram esperanças de um início de conversas diplomáticas.

Washington respondeu pedindo sanções mais duras contra Pyongyang durante uma reunião do Conselho de Segurança na quarta-feira, enquanto o presidente Donald Trump começou a se queixar da China nesta quinta-feira.

"O enviado chinês, que acaba de voltar da Coreia do Norte, parece não ter tido nenhum impacto no 'pequeno homem-míssil'", tuitou o presidente, fazendo alusão a Kim, a quem também chamou de "cachorro doente" e ameaçou com novas sanções.

- Dúvidas sobre embargo petroleiro -A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, esclareceu que os Estados Unidos não buscam uma mudança de governo na Coreia do Norte e estão focados na "desnuclearização" da península coreana.

O chefe do Pentágono, Jim Mattis, afirmou que Washington realizará esforços diplomáticos "implacáveis", incluindo no Conselho de Segurança da ONU, para resolver a crise com a Coreia do Norte.

"Nossos diplomatas falarão de uma posição de força porque contamos com opções militares", disse.

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, reiterou um chamado pelo embargo petroleiro ao receber em Washington seu contraparte da Alemanha, Sigmar Gabriel, que anunciou a retirada da equipe diplomática alemã de Pyongyang para aumentar a "pressão" sobre o país.

"Acredito que os chineses estejam fazendo muito, mas também achamos que podem fazer mais com o petróleo. Realmente pedimos que cortem o fornecimento de petróleo", disse Tillerson. "Foi a arma mais eficaz da última vez que os norte-coreanos se sentaram à mesa de negociações", acrescentou.

A embaixadora de Washington na ONU, Nikki Haley, disse na quarta-feira que Trump pediu ao presidente chinês, Xi Jinping, para cortar todo o fornecimento de petróleo à Coreia do Norte.

Os Estados Unidos já haviam pressionado por um embargo de petróleo aos norte-coreanos depois que Pyongyang testou, em setembro, sua mais poderosa bomba nuclear até então. Retirou esse pedido durante as negociações com a China para uma resolução.

Mas o Ministério das Relações Exteriores da China se esquivou das perguntas sobre o chamado americano a um embargo petroleiro, e seu porta-voz, Geng Shuang, se limitou a dizer aos repórteres que Pequim acata as resoluções da ONU e apoia a desnuclearização da península coreana.

Pequim apoiou uma série de sanções que incluem a proibição das importações de carvão, mineral de ferro e de pescado para a Coreia do Norte, e limitam seu fornecimento de derivados do petróleo.

Negou-se, porém, a fechar o oleoduto que envia petróleo para a Coreia do Norte.

Pequim teme que a adoção de medidas mais duras faça o regime norte-coreano entrar em colapso, deflagrar uma crise de refugiados em suas fronteiras e elimine uma barreira estratégica que separa a China do Exército americano na Coreia do Sul.

- Sanções "esgotadas" -Ante uma sessão de emergência do Conselho de Segurança, Haley lançou contra a Coreia do Norte, denunciando que Kim "fez uma escolha (...) que coloca o mundo mais perto de uma guerra", disse. "Em caso de guerra, não se enganem: o regime da Coreia do Norte será totalmente destruído", acrescentou

Mas seu chamado às nações para "cortar todos os laços com a Coreia do Norte" foi rejeitado nesta quinta-feira pelo ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov.

"Em várias ocasiões destacamos que a pressão das sanções se esgotou e que as resoluções que impuseram as sanções implicavam necessariamente retomar um processo político e as negociações", declarou Lavrov.

"As recentes ações dos Estados Unidos parecem ter sido dirigidas deliberadamente para provocar ações bruscas de Pyongyang", expressou Lavrov, citado pelas agências de notícias russas.

Kim disse que o teste do sistema de mísseis Hwasong-15 ajudou seu país a alcançar a meta de se tornar uma potência nuclear, o que lhe valeu uma condenação a nível global.

A Coreia do Norte insiste que suas armas convencionais e nucleares buscam dissuadir todo ataque contra seu país.

burs-dc/yow/rsr/cd/cb

Twitter

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos