PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Maduro disposto a convocar legislativas antecipadas mas não presidenciais

30/01/2019 06h38

Moscou, 30 Jan 2019 (AFP) - O presidente venezuelano Nicolás Maduro afirmou que é favorável a eleições legislativas antecipadas e a um diálogo com a oposição para superar a crise política, mas rejeitou a ideia de antecipar as eleições presidenciais, em declarações à agência de notícia russa RIA Novosti.

Maduro disse ainda que está "disposto a discutir pessoalmente com Donald Trump, em público, nos Estados Unidos, na Venezuela, onde quiser, com qualquer programa" de debate.

"Seria muito bom organizar eleições legislativas antes, seria uma boa forma de discussão política, uma boa solução através do voto popular", declarou Maduro em uma entrevista a RIA Novosti.

Em seguida, destacou que "as eleições presidenciais aconteceram há menos de um ano, há 10 meses".

"Não aceitamos ultimatos de ninguém no mundo, não aceitamos a chantagem. As eleições presidenciais aconteceram na Venezuela e se os imperialistas querem novas eleições que esperem até 2025", completou Maduro.

"Estou disposto a comparecer à mesa de negociações com a oposição, para falar, pelo bem da Venezuela, pela paz e o futuro", declarou Maduro em outro momento da entrevista.

Questionado sobre uma possível mediação internacional, o presidente venezuelano afirmou que há "vários governos e organizações no mundo sinceramente preocupados" e que deseja que "apoiem o diálogo" eventual com a oposição.

Ao falar sobre um possível encontro com o presidente americano, Maduro disse que é "complicado atualmente" porque o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, "proibiu Trump de iniciar o diálogo".

Maduro expressou o reconhecimento ao presidente russo Vladimir Putin, que apoia o governo venezuelano.

A Venezuela recebe a cada mês armamento russo, "o mais moderno do mundo", como parte dos acordos vigentes, destacou Nicolás Maduro.

Apesar da situação econômica do país, a Venezuela continua pagando suas dívidas pontualmente a China e Rússia, seus principais credores, disse Maduro.

"A Venezuela paga, sempre no prazo", disse.

A oposição venezuelana convocou protestos para esta quarta-feira com o objetivo de pedir aos militares apoiem o autoproclamado presidente interino Juan Guaidó, que tem o respaldo dos Estados Unidos e de vários países latino-americanos e europeus.

gmo/phv/zm/fp

Internacional