PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump destaca protestos na Venezuela: 'A luta pela liberdade começou!'

30/01/2019 21h43

Washington, 30 Jan 2019 (AFP) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, destacou nesta quarta-feira (30) a mobilização de milhares de opositores venezuelanos, que querem que o mandatário Nicolás Maduro deixe o poder e que um governo de transição convoque eleições.

"Protestos maciços em toda a Venezuela contra Maduro. A luta pela liberdade começou!", tuitou Trump, que mais cedo conversou com o autoproclamado presidente interino venezuelano, Juan Guaidó, reconhecido por Washington, para reforçar "o forte apoio dos Estados Unidos à luta da Venezuela por restabelecer sua democracia".

Milhares de opositores venezuelanos, liderados pelo autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, pediram nesta quarta aos militares que permitam a entrada de ajuda humanitária e que não reconheçam o governo de Maduro, que por sua vez pediu união e lealdade.

Guaidó, chefe do Parlamento de maioria opositora, se proclamou em 23 de janeiro, depois que o Legislativo declarou Maduro "usurpador" por iniciar em 10 de janeiro um segundo mandato considerado ilegítimo por parte da comunidade internacional, que estima que sua reeleição foi fraudulenta.

Trump disse nesta quarta-feira com Guaidó para parabenizá-lo por sua "histórica posse" e para lhe oferecer todo seu apoio.

Ambos "combinaram de estabelecer comunicação regular para respaldar o caminho da Venezuela em relação à estabilidade e para reconstruir a relação bilateral entre Estados Unidos e Venezuela", informou a Casa Branca.

O presidente americano já havia tuitado nesta quarta-feira sobre a situação na Venezuela, sem fazer menção ao telefonema para Guaidó.

Ele disse que Maduro está disposto a negociar com a oposição após as sanções imposta na segunda-feira por Washington à petroleira estatal PDVSA, praticamente a única fonte de receitas do país sul-americano.

"Maduro disposto a negociar com a oposição na Venezuela depois das sanções dos Estados Unidos e o corte de receitas petroleiras", apontou.

"Guaidó está sendo atacado pela Corte Suprema da Venezuela. Espera-se um protestou maciço hoje. Os americanos não devem viajar à Venezuela até novo aviso", acrescentou.

jca-ad/dga/cc/mvv

Internacional