Topo

Trump lamenta não ter aumentado ainda mais tarifas sobre produtos chineses

25/08/2019 09h40

Biarritz, França, 25 Ago 2019 (AFP) - o presidente americano Donald Trump não se arrepende da guerra comercial com a China e só "lamenta não ter aumentado mais as tarifas" sobre os produtos chineses, informou neste domingo uma porta-voz da Casa Branca.

"Foi perguntado ao presidente se ele 'queria mudar de opinião sobre a guerra comercial com a China', e sua resposta foi mal interpretada", declarou Stéphanie Grisham.

"O presidente Trump respondeu afirmativamente, (mas) porque lamenta não ter aumentado ainda mais as taxas", explicou.

Pouco antes, Trump deu a intender que flexibilizava sua posição nesta questão. "Sempre penso duas vezes, sobre todos os temas", havia dito.

Ainda neste domingo, Trump declarou que sua guerra comercial com a China não causa tensão na cúpula do G7, apesar das preocupações expressas por vários outros líderes.

O presidente dos Estados Unidos também afirmou em Biarritz (sudoeste da França) que não pretende tomar outras medidas contra Pequim neste momento.

"Eu acho que eles respeitam a guerra comercial. Ela deveria acontecer", disse Trump a repórteres antes de uma reunião com outros líderes do G7, incluindo Emmanuel Macron, Angela Merkel e Shinzo Abe.

Questionado sobre possíveis críticas de seus colegas sobre o assunto, ele insistiu: "não, de forma alguma. Eu não ouvi isso".

Muitos líderes expressaram preocupações sobre o impacto negativo deste conflito comercial sobre a economia global e os mercados. Como o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que declarou claramente a Donald Trump que é "a favor de uma paz comercial" e que "não gosta de impostos alfandegários".

Os mercados financeiros caíram após o anúncio de taxas adicionais americanas sobre um total de 550 bilhões de dólares em importações chinesas, em resposta a um novo aumento das tarifas chinesas.

O presidente americano admitiu ter algumas dúvidas sobre a conveniência de intensificar sua guerra comercial. Ele apontou que se absteria, no momento, de declarar um estado de emergência nacional que permitiria, segundo ele, ordenar que as empresas americanas deixem a China.

"Eu tenho o direito, se eu quiser. Posso declarar estado de emergência nacional. Mas não tenho essa intenção por enquanto", disse ele.

Em contrapartida, o republicano garantiu que está "muito perto" de concluir um "grande" acordo comercial com o Japão. Washington e Tóquio "trabalham nesse acordo há cinco meses", disse, antes de se reunir com Boris Johnson.

Na sexta-feira, Donald Trump ameaçou Pequim com medidas drásticas, tuitando que "as empresas americanas têm ordens para começar imediatamente a procurar uma alternativa à China".

Apesar de seus comentários mais sutis neste domingo, Trump defendeu sua estratégia em relação à China, a quem ele acusa de "roubo de propriedade intelectual da ordem de 300 a 500 bilhões de dólares por ano".

"Estamos perdendo um total de cerca de US$ 1 trilhão por ano. E, sob muitos aspectos, é uma emergência", disse ele.

Como vem dizendo há meses, o presidente americano reafirmou que a China acabará cedendo às demandas e mudando sua relação comercial com os Estados Unidos. "Estamos em discussões, eles querem um acordo tanto quanto nós", assegurou.

sms/jri/leb/nas/mr

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Notícias