PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Esse conteúdo é antigo

Juiz determina que Trump deve entregar oito anos de declarações de impostos

Declarações de 2011 a 2018 foram pedidas pelo promotor de Manhattan, Cyrus Vance - CHERISS MAY
Declarações de 2011 a 2018 foram pedidas pelo promotor de Manhattan, Cyrus Vance Imagem: CHERISS MAY

Da AFP, em Nova York (EUA)

20/08/2020 14h16

Um juiz federal de Nova York disse hoje que Donald Trump deve entregar oito anos de declarações de impostos ao promotor de Manhattan, Cyrus Vance, um novo revés para o presidente americano que tenta manter suas finanças em segredo.

Em uma decisão de 103 páginas, o juiz do distrito sul de Nova York, Víctor Marrero, considerou justificado o pedido do promotor Vance, um democrata que reivindica há um ano do escritório de contabilidade de Trump, Mazars, as declarações de renda do presidente de 2011 a 2018.

Em julho, a Suprema Corte dos Estados Unidos já havia rejeitado o pedido de imunidade de Trump em uma investigação criminal sobre suas declarações de impostos e determinou que elas deveriam ser entregues ao promotor.

No entanto, apesar dessa decisão, Trump levou o caso de volta a um tribunal do distrito de Nova York, levantando outras objeções: que a alegação de Vance era de "má-fé" e "ampla demais".

A decisão do juiz Marrero contrária ao presidente pode, entretanto, ser apelada por Trump.

"Provavelmente terminaremos mais uma vez na Suprema Corte. Mas essa é simplesmente uma continuação da caça às bruxas mais horrível da história de nosso país", disse Trump hoje no Salão Oval.

Durante sua campanha eleitoral, Trump prometeu divulgar suas declarações de impostos, mas nunca o fez. É o primeiro presidente desde Richard Nixon que se recusa a divulgar essas declarações.

Como a investigação de Vance decorre de uma decisão adotada por um grande júri cujas deliberações são secretas, ninguém sabe exatamente o que o promotor está buscando nesses documentos fiscais que pede ao Mazars.

Inicialmente, acreditava-se que a investigação visava um pagamento feito à atriz pornográfica Stormy Daniels para comprar seu silêncio por uma suposta relação com Trump, em violação à lei de financiamento eleitoral dos Estados Unidos.

Mas a Promotoria deu a entender recentemente que a investigação poderia ser mais ampla e estender-se a "possíveis comportamentos criminosos dentro da Organização Trump", empresa que reagrupa os negócios do ex-magnata imobiliário e que não está listada na bolsa de valores.

Seja qual for o resultado da batalha judicial, ninguém espera que as declarações de impostos de Trump sejam divulgadas antes das eleições presidenciais de 3 de novembro.

Internacional