PUBLICIDADE
Topo

Eleição dos EUA tem recorde de votos antecipados para presidente

Donald Trump busca a reeleição e tenta derrotar Joe Biden - Jim Watson e Brendan Smialowski/AFP
Donald Trump busca a reeleição e tenta derrotar Joe Biden Imagem: Jim Watson e Brendan Smialowski/AFP

17/10/2020 19h41Atualizada em 19/10/2020 09h29

Uma cena se repete praticamente em todos os Estados Unidos: longas filas de eleitores votando antecipadamente para as eleições presidenciais, respondendo ao chamado de mobilização dos democratas e, por medo da pandemia do coronavírus, a menos de três semanas das eleições.

Mais de 25 milhões de americanos votaram até as 15h GMT (12h em Brasília) de sexta-feira, por correio ou pessoalmente, de acordo com uma contagem do US Elections Project, um sistema online de estatísticas eleitorais da Universidade da Flórida.

Esses números recordes ocorrem em meio a uma eleição fortemente polarizada entre o bilionário republicano Donald Trump, que está concorrendo a um segundo mandato, e o democrata Joe Biden, que atualmente lidera as pesquisas nacionais.

Embora os números estejam atualmente a favor do ex-vice-presidente Barack Obama, a eleição ainda não foi decidida, alerta o professor Michael McDonald, que comanda a contagem.

"O voto forte dos democratas neste momento não deve ser um indicador de que Biden já ganhou a eleição", alertou McDonald em uma análise postada em seu site.

"Sim, os números são muito bons para Biden, no entanto, é muito provável que os republicanos compareçam para votar pessoalmente" em 3 de novembro, dia da eleição.

Ao todo, 43 estados e a capital federal, Washington, estabeleceram sistemas de votação antecipada para a eleição.

Quase 75 milhões de votos foram solicitados ou enviados pelo correio, mais do que o dobro dos 33 milhões das eleições de 2016, e as autoridades locais estabeleceram caixas de correio ou pontos especiais para depositar o voto.

Essas medidas respondem à forte demanda dos eleitores, que temem pegar covid-19 se forem às urnas no dia das eleições.

Em Iowa, um estado do meio-oeste onde o presidente realizou um comício na quarta-feira, a votação começou em 5 de outubro, e até sexta-feira mais de 454.000 eleitores haviam votado, de acordo com o US Elections Project.

- "Canibalizar" eleitores-Na Geórgia (sudeste), mais de 1,3 milhão de pessoas votaram de acordo com a mesma fonte. Algumas delas esperaram mais de 10 horas nas filas.

A votação antecipada começou na quinta-feira na Carolina do Norte (leste), onde Kamala Harris, companheira de chapa de Biden, deve mobilizar os eleitores democratas de Asheville.

No entanto, a senadora teve que cancelar sua visita quando soube que dois membros de sua equipe testaram positivo para covid-19.

O sul do Texas registrou um número recorde de votos desde a abertura das urnas na terça-feira. De acordo com números preliminares, 128.186 pessoas compareceram no primeiro dia, quase o dobro do número de quatro anos atrás.

Trump tem criticado com frequência o voto por correspondência, argumentando que levará a uma "fraude de escala sem precedentes" em benefício de seu oponente. No entanto, não há evidências de irregularidades generalizadas nas votações anteriores.

Sua equipe de campanha acusa o partido democrata de "afastar irresponsavelmente os eleitores das urnas e canibalizar os eleitores no dia da eleição em favor do voto pelo correio".

"Os republicanos aparecerão pessoalmente no dia da eleição e reelegerão o presidente Trump", disse a porta-voz da campanha do presidente, Thea McDonald, ao jornal The Washington Post.

vid-cyj/cjc/yo/dga/cc