PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Incêndio em prisão no Burundi provoca 38 mortos e 69 feridos graves

07/12/2021 15h07

Nairóbi, 7 dez 2021 (AFP) - Trinta e oito pessoas morreram e 69 ficaram gravemente feridas em um incêndio que devastou nesta terça-feira (7) a prisão central de Gitega, capital do Burundi, informou à imprensa o vice-presidente Prosper Bazombanza.

Várias testemunhas disseram à AFP que o incêndio carbonizou completamente partes da prisão superlotada, que abrigava 1.539 presos (para 400 lugares) no final de novembro, de acordo com dados da administração penitenciária.

Segundo estas testemunhas, que descreveram "enormes chamas", o incêndio começou por volta das 4h00 (00h00 no horário de Brasília), surpreendendo os detentos durante o sono.

"Começamos a gritar que íamos ser queimados vivos quando vimos as chamas subindo muito alto, mas a polícia se recusou a abrir as portas dizendo 'essas são as ordens que recebemos'", declarou à AFP um detido, contactado por telefone.

"Não sei como escapei, mas vários prisioneiros foram totalmente queimados", contou.

O vice-presidente Prosper Bazombanza e quatro ministros (Interior e Segurança Pública, Justiça, Saúde, Solidariedade) foram ao local, onde a imprensa foi mantida à distância por militares e policiais.

Segundo uma fonte policial, os serviços de emergência demoraram a chegar.

Um primeiro caminhão de bombeiros chegou duas horas após o início do incêndio, antes da chegada de outros seis de províncias vizinhas, disse.

O incêndio foi causado por um "curto-circuito", informou no Twitter o ministério do Interior, Desenvolvimento Comunitário e Segurança Pública.

Em 21 de agosto, um incêndio atingiu um bloco da prisão central, sem causar vítimas. O ministério do Interior disse que este incidente também se deveu a um curto-circuito.

Construída em 1929, a prisão central da capital política do Burundi, Gitega, no centro do país, é a terceira maior do Burundi depois da de Mpimba, localizada na capital econômica Bujumbura, e da de Rumonge.

Os presos frequentemente denunciam as condições de detenção - de falta de espaço e alimentos.

"Às vezes ficamos até três dias sem ser abastecidos pela prisão e nossas famílias não podem nos ajudar porque desde junho de 2020 não recebemos mais visitas sob o pretexto de nos proteger da covid-19", disse um deles à AFP.

A ONG ACAT-Burundi confirmou esta situação e explicou que é generalizada nas onze prisões do país.

Em 26 de novembro, havia 12.878 presos para uma capacidade de 4.294, de acordo com a administração penitenciária de Burundi, apesar do anúncio do indulto presidencial, em março deste ano, para 5.200 presos, a fim de descongestionar as prisões.

As primeiras solturas ocorreram em abril.

O Burundi, um dos países mais pobres do mundo, é liderado pelo general Evariste Ndayishimiye, eleito em junho de 2020 após a morte repentina de Pierre Nkurunziza, no poder desde 2005.

str-sva/jhd/es/mr