Turquia celebra 100 anos de república e de transformações radicais

Em 29 de outubro, a Turquia celebra o centenário de sua República, criada sobre as cinzas do Império Otomano. Mustafa Kemal, também conhecido como Atatürk, seu fundador e primeiro presidente, promoveu reformas radicais, da instauração do laicismo à introdução do alfabeto latino.

As reformas, algumas delas amadurecidas nas últimas décadas do Império Otomano, são as de uma elite ocidentalizada, impostas à nova nação turca. 

- Alfabeto latino - 

Em 1º de novembro de 1928, o Parlamento turco introduz o alfabeto latino e abandona o árabe, que até então era usado para escrever o turco otomano. A ideia já havia germinado em alguns círculos na segunda metade do século XIX.

A reforma chega acompanhada por uma revisão da língua turca, a qual abandona muitos termos herdados do árabe e do persa. Em paralelo, são introduzidas várias palavras francesas. 

A população turca é, à época, em grande parte analfabeta. Entre as pessoas que sabem ler e escrever, muitas já conhecem uma língua ocidental, em particular o francês, de maneira que a reforma acontece sem grandes dificuldades. 

Um século mais tarde, poucos turcos conseguem ler otomano. 

- Laicismo - 

Em 10 de abril de 1928, a Turquia suprime as referências ao Islã de sua Constituição, tornando-se o primeiro Estado laico do mundo muçulmano. 

O modelo é um "laicismo de controle", pelo qual o Estado tutela o Islã. Concretamente, a Direção de Assuntos Religiosos (Diyanet) supervisiona mesquitas e imãs. 

Continua após a publicidade

O Islã é, no entanto, a religião da imensa maioria dos turcos, razão pela qual continua a ser um elemento constitutivo da identidade nacional turca. 

- Direitos das mulheres - 

A República Turca transformou, profundamente, o status das mulheres, ao suprimir a poligamia e conceder-lhes direitos civis e políticos. Entre eles, o direito de voto, em 1930, nas eleições locais, e em 1934, nas eleições nacionais, nas quais também podem se apresentar como candidatas. 

Sob o poder de Atatürk (1923-1938) e nos anos seguintes, a sociedade turca continua sendo, contudo, muito patriarcal. 

Quase um século depois, as mulheres turcas representam apenas 20% dos deputados no Parlamento. E o presidente Recep Tayyip Erdogan considera as mulheres "como mães, antes de tudo".

- Código de vestimenta - 

Entre outras medidas drásticas aplicadas nos primeiros anos da República, Mustafá Kemal transforma o jeito de vestir dos turcos. Proíbe o tradicional fez - ou tarbush, um pequeno chapéu masculino de feltro ou pano -, substituindo-o pelo chapéu ao estilo ocidental, além de restringir os trajes religiosos e tentar limitar o uso do véu feminino. 

Continua após a publicidade

O terno e o chapéu, assim impostos aos turcos, tornam-se o símbolo da ocidentalização do país. 

Mas a reforma "causou um descontentamento em massa. A resistência foi duramente reprimida, e mais de 100 pessoas foram executadas", lembra o historiador Hamit Bozarslan, autor de um livro sobre a história da Turquia contemporânea. 

- Ancara, capital -

Ancara é proclamada capital do Estado republicano em outubro de 1923, em detrimento de Istambul, capital de um império que se estendia dos Bálcãs até ao atual Iêmen e que foi desmembrado no final da Primeira Guerra Mundial. 

Situada no coração de Anatólia, a cidade experimenta um desenvolvimento espetacular, passando dos 25.000 habitantes à época para vários milhões nos dias de hoje, sem conseguir eclipsar Istambul. 

A capital turca manteve o nome de Angora até 1930, quando se tornou Ancara. Já Constantinopla mudou seu nome para Istambul.

Continua após a publicidade

rba/ach/avl/pc/tt/aa

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes