Processo de impeachment

Ato em São Paulo critica polarização política e pede "fora todos"

Elaine Patricia Cruz

Da Agência Brasil, em São Paulo

  • Nelson Antoine/Framephoto/Estadão Conteúdo

Manifestantes fizeram nesta sexta-feira (1º) um ato contra a polarização política e em defesa dos direitos dos trabalhadores no vão livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo), na avenida Paulista. O protesto durou pouco mais de uma hora e terminou em frente a sede da Presidência da República em São Paulo.

Chamado de "Chega de Mentiras e Fora Todos", o ato foi apoiado por partidos políticos, como o PSTU, e centrais sindicais, como a CSP-Conlutas, entre outras entidades. O lema da manifestação é 'Contra Dilma (PT), Cunha, Temer e Renan (PMDB) e Aécio e Alckmin (PSDB)! Por uma Alternativa dos Trabalhadores, da Juventude e do Povo Pobre!'

J. Duran Machfee/Futura Press/Estadão Conteúdo

Parte dos manifestantes presente ao ato saiu em caravana da cidade de São José dos Campos (SP). Eles usavam uma camiseta preta com fotos da presidenta da República Dilma Rousseff, do vice-presidente Michel Temer, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do presidente do Senado Renan Calheiros e do presidente da Câmara Eduardo Cunha, do senador Aécio Neves, com a mensagem 'Fora Todos'.

Um imenso cartaz com a foto de todos esses políticos e a frase 'Fora Todos Eles' foi levado pelos manifestantes durante todo o percurso. Também havia dois grandes bonecos, um caracterizando a presidenta Dilma e, o outro, o senador Aécio Neves.

A Polícia Militar não divulgou estimativa do número de manifestantes. Os organizadores calculam que cinco mil pessoas participaram do evento.

Muitos dos participantes do ato, segundo os organizadores, são metalúrgicos de empresas como General Motors, Embraer e Chery, entre outras.

Os manifestantes criticam tanto o governo da presidente Dilma Rousseff quanto a oposição. Na chamada do ato, eles dizem "que não há diferença entre o governo do PT e a oposição de direita nos ataques contra a classe trabalhadora".

Para eles, é preciso construir uma terceira alternativa, um bloco que defenderia o direito dos trabalhadores.

O ato ocorre em diversas cidades do país. Os manifestantes protestam também contra o ajuste fiscal, as privatizações e a reforma da previdência.

Paulo Ermantino/Raw Image/Estadão Conteúdo

Divisão

As entidades que apoiam o ato, embora concordem com a saída da presidente Dilma, se dividem em apontar uma solução para o momento político brasileiro.

O presidente nacional do PSTU, Zé Maria, defende eleições gerais no país. "Nossa opinião é que a solução para a crise do país hoje e que possa atender ao interesse dos trabalhadores é tirar todos eles, Dilma, Temer, Eduardo Cunha, Renan Calheiros e convocar novas eleições gerais".

Segundo ele, as novas eleições atingiriam também todo o Congresso Nacional --deputados federais e senadores-- e os governadores e deputados estaduais do país.

Indagado se, neste caso, os candidatos não seriam os mesmos, Zé Maria disse que há opções, como o PSTU, que "não aparece na lista de partidos que receberam dinheiro da Odebrecht".

"O povo tem alternativas. E o povo saberá decidir o que é melhor para ele", disse. "O impeachment [de Dilma] não resolve porque bota o Temer no lugar. E o Temer e a Dilma são a mesma coisa".

Para Zé Maria, a saída de Dilma se justificaria pelas "300 mil demissões na área de construção civil do ano passado até hoje", pelos direitos que foram cortados pelo governo e "pela mentira que eles contaram na campanha eleitoral".

Paulo Barella, da secretaria nacional executiva da Conlutas, disse que a central ainda não se decidiu sobre a melhor solução para o país. Segundo ele, esse é um debate que a entidade ainda está desenvolvendo e quer discutir, com os trabalhadores, a partir de mobilizações como essa qual é a melhor saída.

"Pode ser eleições gerais ou uma organização independente dos trabalhadores ou uma outra saída. Isso é uma construção que teremos que fazer", disse Barella.

"Defendemos aqui a construção desse campo independente, da classe trabalhadora, que se enfrenta contra os outros dois segmentos [os favoráveis e os contrários ao governo atual]. Estamos construindo aqui essa ação para mostrar que há uma outra visão em relação aos outros dois campos, que busca ações independentes dos trabalhadores".

As entidades pretendem se reunir novamente no dia 1º de maio, em um ato unificado na avenida Paulista. "Vamos fazer um 1º de maio nacionalizado aqui em São Paulo. Queremos reunir algo em torno de 15 mil ou 20 mil pessoas".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos