Virada Cultura inicia comemoração do 1º de maio no DF com crítica ao impeachment

Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil

Brasília- Artistas da cidade participam da Virada Cultural , com muitas atrações para crianças e adultos (Elza Fiuza/Agência Brasil)

Virada Cultural começou no início da tarde com apresentações  voltadas às criançasElza Fiúza / Agência Brasil

As comemorações do 1° de maio, Dia do Trabalhador, já começaram em Brasília, e neste momento 81 atrações musicais locais participam do evento Virada Cultural. No início da tarde, o evento foi direcionado às crianças, com apresentações teatrais e atividades lúdicas.

Organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), entre outras entidades, a Virada Cultural é também um evento de apoio à presidenta Dilma Rousseff e de crítica ao que os organizadores chamam de "golpe" do Legislativo contra ela. Estão previstas apresentações até, pelo menos, as 3h. Às 10h deste domingo (1º), as atividades serão retomadas, com atos políticos, além de uma grande roda de samba.

Mistura

Brasília - Rita Andrade, uma das organizadoras do evento, que tem a participação do Movimento de Artistas pela Democracia de Brasília (Elza Fiúza / Agência Brasil)

Para Rita Andrade, a mistura musical que ocorrerá na Virada Cultural "não será vista nunca mais" Elza Fiúza / Agência Brasil

A expectativa dos organizados é que pelo menos 3 mil pessoas participem das atividades iniciadas à tarde no estacionamento entre a Torre de TV e a Sala Funarte.

"O que será apresentado aqui, com uma mistura dos mais diversos estilos e vertentes musicais indo do rock até o sinfônico, passando por forró, música popular, não será visto nunca mais. Será uma miscelânea de estilos gerando uma mistura experimental com todos os estilos. Todos tocando e cantando pela democracia", disse a organizadora do evento, Rita Andrade. "Trata-se de um evento comemorativo, mas como os trabalhadores não estão muito felizes com o que está acontecendo no país, não deixará de ter também um teor crítico".

A associação de música e política é, para a organizadora, mais uma das semelhanças entre o atual momento político brasileiro e o golpe de 1964. "Encontros como este têm acontecido para que nos fortifiquemos enquanto cidadãos, a fim de manter acesa a chama da democracia", disse.

Coletivo de artistas
Desse sentimento citado por Rita nasceu o grupo Artistas pela Democracia, um coletivo de 250 artistas de Brasília dos mais diversos estilos musicais. Serão eles os responsáveis pelas atrações musicais do evento. Um deles é o professor da Escola de Música Ticho Lavenère, baterista que integrará a banda base que dará suporte às atrações musicais.

Brasília - O músico Ticho Lavenére participa do Movimento de Artistas pela Democracia de Brasília, que reúne profissionais da cultura (Elza Fiúza / Agência Brasil)

"Nosso propósito é, por meio de nossa arte, atrair o público e passar nossa mensagem de defesa da democracia", disse o músico Ticho LavenéreElza Fiúza / Agência Brasil

"Nosso propósito é, por meio de nossa arte, atrair o público e passar nossa mensagem de defesa da democracia, de forma suprapartidária. Não só a nossa, mas todas as artes têm o poder de destilar a essência do que é a luta pela qual passa o país nesse momento. É disso que se trata a nossa mobilização. Ninguém aqui vai tocar por cachê. Isso só acontece nas manifestações da direita", disse Lavenère.

Público
Sem filiação partidária mas com "simpatia pelo PT e pela esquerda", o servidor público Marco Aurélio Lobo Castro, de 39 anos, interrompeu o passeio que fazia na Torre de TV para se juntar ao público da Virada Cultural logo no início das atividades. "Cheguei por acaso, mas tenho muita simpatia pela causa e tenho muita preocupação por ver essa história de golpe estar se repetindo no Brasil, novamente com o apoio dessa mídia traiçoeira que manda no país. Parece um círculo vicioso. É por isso que me sinto na obrigação de agir, e é por isso que estou sempre me informando e usando as mídias sociais para passar adiante as informações que a mídia não passa", disse.

Também presente na Virada Cultural, a profissional autônoma do ramo de buffet Mayara Brito, 32, diz que "não gosta de falar de política" porque, na avaliação dela, "no atual momento todos já tem opinião formada, o que torna as discussões inférteis, inclusive a ponto de colocar em risco as amizades".

Mayara acha que o país precisa de mudanças. "Não acho que a retirada da Dilma seja o melhor caminho. Penso que, caso isso ocorra, o ideal seria convocar eleições diretas. Quem tem de escolher o presidente é o povo, e não esse Congresso Nacional que mais parece um circo empurrando goela abaixo o que acham que a gente deve aceitar", disse. "Na verdade o que o país precisa é dar uma peneirada nesse Legislativo para ver se sobra alguma coisa que preste".

Além da CUT, a Virada Cultural é organizada pelo Sindicato dos Professores do Distrito Federal, pelos coletivos Artistas pela Democracia e Povo sem Medo e pela Frente Brasil Popular.

Brasília- Artistas da cidade participam da Virada Cultural , com muitas atrações para crianças e adultos (Elza Fiuza/Agência Brasil)

A Virada Cultural continua neste domingo com atos políticos, além de uma grande roda de sambaElza Fiúza / Agência Brasil

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos