Professores e alunos protestam e picham sede da Secretaria de Educação no Rio

Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - Professores e estudantes protestam em frente à sede da Seeduc, em Santo Cristo, onde fazem ato contra violência da PM nas ocupações e pela reposição salarial dos professores (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Professores e estudantes se manifestam em frente à sede da Secretaria Estadual de Educação do Rio, onde protestam contra violência da PM nas ocupaçõesTomaz Silva/Agência Brasil

Um protesto de professores em greve e alunos deixou totalmente pichados e manchados de vermelho o muro e a fachada da Secretaria Estadual de Educação (Seeduc) do Rio de Janeiro, no bairro Santo Cristo, zona portuária. O motivo da manifestação, na tarde desta terça-feira (24), foi a repressão, na madrugada de sábado (21), a alunos que ocupavam a secretaria e que foram retirados à força pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar.

O protesto ocorreu após a assembleia de professores, que decidiu pela manutenção da greve, que chega a três meses. Integrante da diretoria do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe), Ricardo Pereira, esclareceu o motivo do ato.

"Fizemos uma manifestação de repúdio, porque os estudantes, na madrugada de sexta-feira para sábado, foram agredidos de forma violenta pelo Batalhão de Choque, a mando do secretário estadual de Educação [Wagner Victer] e do governo estadual, em uma situação de truculência que a gente não tinha visto há muito tempo, porque a desproporção numérica era grande. Bastava eles terem retirado os estudantes no braço, mas fizeram questão de usar cassetete e gás de pimenta."

Autotutela

Em nota, a secretaria justificou a retirada forçada dos estudantes no sábado. "O governo do estado adotou o mecanismo da "autotutela", previsto no parágrafo primeiro do artigo 1210 do Código Civil, visando preservar a posse dos bens públicos. Com isso, foi definida a autoexecutoriedade da reintegração diante do risco ao patrimônio público e à segurança dos funcionários da secretaria que ainda estavam no prédio, além da preservação da capacidade de e execução do atendimento às demandas colocadas pelos próprios ocupantes."

No protesto de hoje não houve repressão da PM, que se limitou a cercar o prédio, impedindo a invasão do imóvel. Os estudantes ainda queimaram uma pilha de provas na frente da secretaria, em protesto contra a aplicação do Sistema de Avaliação da Educação do Estado do Rio de Janeiro (Saerj), um teste feito pelos alunos para avaliar a qualidade do ensino nas escolas. Os alunos alegam que o Saerj não leva em consideração as particularidades de cada escola.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos