Polícia do Equador faz busca e apreensão em escritório da Odebrecht

André Richter - Repórter da Agência Brasil

A Procuradoria do Equador e a Polícia Nacional do país fizeram uma operação de busca e apreensão hoje (23) no escritório da Odebrecht em Guayaquil. A medida foi realizada após a confirmação de autoridades norte-americanas de que a empreiteira brasileira pagou mais de US$ 1 bilhão, cerca de R$ 3,3 bilhões, em propina a funcionários de governos em 12 países, entre eles o Equador.

De acordo com informações repassadas pelo procurador-geral Galo Chiriboga Zambrano, foram apreendidos documentos e arquivos de computadores que poderiam estar relacionados com os supostos pagamentos indevidos. Zambrano também disse que o país fará pedidos de cooperação internacional com o Brasil, Estados Unidos e Suíça em busca de provas para auxiliar as investigações das autoridades equatorianas.

De acordo com o procurador, o orgão atuará com celeridade, assim como fez em outros casos de investigação sobre corrupção no país. Segundo ele, a procuradoria buscará identificar nomes, quantias e o destino dos recursos relacionados ao suposto pagamento de propina.

Ontem (22), o governo do Equador anunciou que pediu ao Ministério Público que investigue supostos pagamentos de propina pela Odebrecht no país. Uma das principais obras feitas pela empreiteira foi a construção do metrô da capital, Quito.

Em 2008, o atual presidente, Rafael Correa, expulsou a Odebrecht do país sob a alegação de que houve irregularidades na construção da usina hidrelétrica de San Francisco, financiada com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A Agência Brasil entrou em contato com a Odebrecht, mas ainda não obteve retorno.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos