PUBLICIDADE
Topo

Temer lamenta mortes em protestos na Venezuela

Marcelo Brandão - Repórter da Agência Brasil

20/04/2017 22h03

O presidente Michel Temer lamentou as mortes ocorridas na Venezuela durante as manifestações contra e a favor o governo de Nicolás Maduro, ocorridas ontem (19). Em sua conta oficial no Twitter, Temer afirmou que está acompanhando com preocupação os acontecimentos no país vizinho. "Acompanhamos com preocupação a situação na Venezuela. Lamentamos, em particular, as mortes nas manifestações de ontem. Nossas condolências aos familiares das vítimas. O Brasil está, sempre, ao lado do povo venezuelano. Esperamos que encontrem o caminho da paz", disse o presidente na rede social. Manifestantes em Caracas, na Venezuela, entram em confronto com a Guarda Nacional do paísMiguel Gutierrez/EPA/Agência Lusa/direitos reservados Durante os protestos de ontem na área metropolitana de Caracas e em 14 estados do país, três pessoas morreram, 62 ficaram feridas e 312 foram detidas. A relação entre os dois países mudou após o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Ela apoiava o governo de Maduro que, por sua vez, criticou o processo que resultou no afastamento da petista. Assim que assumiu a presidência, Temer estreitou relações do Brasil com a Argentina, de Mauricio Macri, e se distanciou da Venezuela. Crise Nesta quarta-feira, a Venezuela foi palco manifestações a favor e contra o governo de Nicolás Maduro. Milhares de venezuelanos - convocados pelo governo - saíram as ruas da capital Caracas para comemorar os 207 anos do primeiro grito de independência contra o império espanhol. Ao mesmo tempo, outras multidões - convocadas pela oposição - marcharam para denunciar o "golpe" do presidente Maduro. Na véspera dos protestos, Maduro convocou os militares, as forças de segurança e também as milícias civis armadas para protegê-lo contra um suposto golpe de Estado que, segundo ele, estaria sendo tramado pelos Estados Unidos com o apoio de seus adversários. O país enfrenta atualmente uma séria crise econômica, marcada por uma inflação anual de 700% e escassez de medicamentos e alimentos. O país também está cada vez mais isolado internacionalmente e o governo é acusado de violar a ordem democrática.