PUBLICIDADE
Topo

Provável ministro da Fazenda diz que segurança jurídica é prioridade

28/10/2018 22h27

Apontado hoje (28) pelo presidente eleito Jair Bolsonaro como um dos nomes certos do seu governo, Paulo Guedes, apontado como ministro da Fazenda da nova administração, garantiu a poucas horas do anúncio de vitória do PSL, que a prioridade de sua pasta será a retomada do crescimento com o controle dos gastos públicos e a segurança jurídica para atrair investimentos privados e reverter o cenário de desemprego. Guedes afirmou que vai construir um marco regulatório para os investimentos em infraestrutura. Segundo ele, o alto custo no Brasil é resultado da falta de segurança jurídica. Ao lamentar os resultados que atribuiu ao atual modelo econômico adotado no país, ele citou o endividamento "em bola de neve", a estagnação do crescimento e os 15 milhões de desempregados atualmente no Brasil.
O economista Paulo Guedes, apontado como futuro ministro do governo Bolsonaro - Fernando Frazão/Agência Brasil
"Vamos ter 10 a 20 anos de entradas de investimentos privados que são o motor do crescimento econômico. A maior máquina de inclusão social são os investimentos e empregos privados", afirmou No rol das medidas a serem adotadas, ele ainda elencou a reforma da Previdência e privatizações como forma de redução da despesa com juros. "Não é razoável o Brasil gastar US$ 100 bilhões por ano em juros da dívida. O Brasil reconstrói uma Europa todo ano sem conseguir tirar o Brasil da miséria", disse, fazendo uma comparação com o Plano Marshal aplicado no pós-guerra para a reconstrução da economia europeia. O provável ministro da economia de Bolsonaro também prometeu reduzir privilégios e benefícios e simplificar e reduzir impostos e encargos trabalhistas. Ele foi escolhido como principal assessor desde o início da campanha eleitoral de Jair Bolsonaro e deu peso ao programa de governo.