Investigados tratam ex-assessor da Educação do Estado de SP como 'nosso homem'

De São Paulo

  • A2img / Diogo Moreira/Divulgação

    Fernando Padula, ex-chefe de gabinete da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

    Fernando Padula, ex-chefe de gabinete da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

Interceptação telefônica da Operação Alba Branca flagrou três investigados por suposta fraude na merenda escolar se referindo a uma suposta orientação de Fernando Padula, que ontem foi exonerado da chefia de gabinete da Secretaria da Educação do Estado - cargo que ocupava desde 2007, durante os governos de José Serra e Geraldo Alckmin, ambos do PSDB.

Segundo a Polícia Civil, os grampos indicam que Padula é tratado com reverência pelos integrantes da organização que teria se infiltrado em pelo menos 22 prefeituras e tentado manipular contratos da própria Secretaria para garantir a contratação da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), suspeita de comandar o esquema.

Os grampos da Polícia pegaram o lobista Marcel Ferreira Júlio, filho do ex-deputado Leonel Júlio (cassado em 1976 pelo regime militar no "escândalo das calcinhas"), o vendedor da Coaf César Bertholini e, ainda, Luiz Roberto dos Santos, o "Moita", ex-assessor da Secretaria da Casa Civil de Alckmin.

Moita foi exonerado da chefia de gabinete de Edson Aparecido, secretário da Casa Civil, um dia antes de a operação Alba Branca ser deflagrada, no dia 19 de janeiro.

Os três investigados foram flagrados discutindo aditamento a um contrato. A partir da análise dos grampos, a Polícia destaca que os alvos da investigação se referem a Padula como "nosso homem".

O relatório policial não imputa nenhuma acusação ao ex-chefe de gabinete da Educação, mas assinala que Moita teria sido orientado por Padula sobre como obter reequilíbrio econômico de contrato da Coaf para fornecimento de produtos agrícolas e suco de laranja destinados à merenda.

Honestidade

Padula rechaçou com veemência suspeitas de que teria orientado integrantes da organização investigada na Alba Branca. "Sou um objeto em extinção pela honestidade e objeto raro porque permaneci por vários secretários."

Padula confirmou que conhece Moita. Exceto o ex-chefe de gabinete da Casa Civil de Alckmin, ele disse que disse que "nunca viu" nenhum dos outros investigados. "Ele (Moita) era chefe de gabinete, eu o conheço, naturalmente. Mas não falei com ele sobre contrato. Ele não me pediu orientação. Vira e mexe ligava aqui (na Educação), é uma função institucional da Casa Civil, recebe um monte de gente, ligava e eu atendia. Mas nunca tratei de contratos da Coaf. Contrato nem passava por mim."

Padula disse que pediu à corregedoria da área uma apuração do caso. O novo secretário da Educação, Renato Nalini, disse que o assessor foi exonerado da pasta não por causa da Alba Branca e sim porque convidou um nome próximo a ele para o cargo. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos