"A República cai" se empreiteiras fizerem delação, diz Delcídio

Em Brasília

  • Douglas Pereira/UOL

O senador Delcídio Amaral (PT-MS) acusou, em delação premiada, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, de sinalizar "de uma forma muito sutil" a aprovação de financiamentos do banco de fomento obrigando grandes empresas a fazerem doações para campanhas eleitorais.

Ele citou as empreiteiras Odebrecht, Andrade Gutierrez e OAS --ao lado do grupo JBS-- como algumas das principais doadoras de campanhas eleitorais no país e avaliou que "a República cai" se algum dos executivos das companhias vierem a colaborar nas investigações da Operação Lava Jato.

"(Essas empreiteiras) atuam ecumenicamente quando o a assunto é eleição. A Odebrecht e a OAS são mais petistas, o que nunca as impediu de, evidentemente, apoiar candidaturas de outros partidos. A Andrade Gutierrez é mais tucana, o que não a impede de apoiar outros partidos. Não é por mera coincidência que estão juntas, entre outros projetos, na Usina Hidrelétrica de Belo Monte", afirmou Delcídio aos investigadores.

Segundo o delator, uma lista sigilosa da CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado --que foi presidida por Delcídio-- mostra os financiamentos concedidos pelo BNDES para as empreiteiras em obras no exterior.

Delcídio deixou a prisão em 19 de fevereiro, após ter ficado quase três meses na cadeia acusado de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato. O ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato STF, homologou nesta terça-feira (15) delação premiada do senador e abriu o sigilo dos autos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos