Rompimento pode ser visto como oportunismo do PMDB, diz Jader Barbalho

Brasília - Um dos fundadores do PMDB, o senador Jader Barbalho (PA), pai do ministro Hélder Barbalho (Portos) criticou nesta terça-feira, 29, a guinada da cúpula do partido pelo rompimento com o governo Dilma. O senador assim como o ministro não participarão da encontro do Diretório Nacional do PMDB, que oficializará o desembarque do governo. A reunião está prevista para iniciar às 15h e também não deverá contar com a participação do vice-presidente da República e presidente nacional da legenda, Michel Temer.

"Como fundador do PMDB tenho restrições a esse desembarque até porque esse rompimento pode, inevitavelmente, ser visto pela opinião pública como um gesto de oportunismo político", disse o senador à reportagem. Jader não tem acompanhado de perto os desdobramentos das negociações pelo desembarque, desde o último domingo ele está internado no hospital Sirio Libanês, em São Paulo, onde realiza uma série de exames. Apesar de certo distanciamento, Jader reprova o "incomodo" que a legenda passou a demonstrar em ficar no governo, num momento de maior fragilidade da presidente Dilma.

"Não vou responsabilizar o Michel Temer. Acho que o PMDB não teria razão, depois tanto anos acoplado no poder, de passar para a opinião pública a ideia de que nós agora nos sentimos incomodado de fazer parte do governo. Isso depois de termos tantos ministros e centenas de cargos espalhados por todo o País. Fico muito preocupado com o juízo que a história fará do gesto", disparou.

Ao ser questionado sobre o fato de a decisão ser por aclamação, Jader ironizou: "Acho que a aclamação serve para disfarçar a divergência. Me faz lembrar a peça Assim é (se lhe parece) de um dos maiores teatrólogo, Luigi Pirandello. Cria-se uma verdade".

Sobre a permanência de Hélder Barbalho no governo, mesmo após uma decisão de rompimento pela direção nacional, Jader afirma que a decisão será tomada pelo próprio filho. "Evidentemente, o Helder é uma pessoa de partido, mas ele é quem vai decidir qual caminho vai tomar neste processo".

Na conversa com a reportagem, o senador também mirou suas críticas ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e à imprensa ao comentar sobre os impactos que a debandada do partido poderá causar no processo de impeachment.

"Logicamente que contribui para acelerar o processo. Mas fico muito preocupado com a moral seletiva do PMDB e inclusive da imprensa. Já nem vejo mais no noticiário o Eduardo Cunha, acho que daqui a pouco ele passa a ser herói de vocês da imprensa. Tenho ojeriza da moral seletiva, inclusive do meu partido", ressaltou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos