Alan Marques/Folhapress

Processo de impeachment

Dilma concede entrevista a jornalista americano e se reúne com "equipe de apoio"

Em Brasília

  • Glenn Greenwald

    Dilma Rousseff deu entrevista ao jornalista Glenn Greenwald

    Dilma Rousseff deu entrevista ao jornalista Glenn Greenwald

 A presidente afastada Dilma Rousseff concedeu nesta terça-feira (17) entrevista para o jornalista e cofundador de site norte-americano The Intercept, Glenn Greenwald. Assim que foi afastada do cargo na semana passada, Dilma concedeu coletiva para agências internacionais. Em abril, o jornalista norte-americano havia entrevistado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na época, Lula afirmou que o processo de impeachment era "tramado por um grupo que deseja chegar ao poder desrespeitando o voto popular".

Greenwald foi o responsável pela divulgação de dados fornecidos pelo ex-agente de segurança Edward Snowden no final de 2012. Os primeiros documentos foram divulgados por Greenwald em junho de 2013, o que criou uma saia justa para o governo norte-americano, que teve de explicar o monitoramento de informações e e-mails de autoridades de países espionados pelo NSA, a Agência de Segurança Nacional dos EUA. Na época, a presidente Dilma Rousseff chegou a cancelar uma visita ao presidente norte-americano Barack Obama, após ter conhecimento de que sua correspondência digital fora violada.

Nesta tarde, enquanto o diretório Nacional do PT está reunido em Brasília, Dilma está no Alvorada com "sua equipe de apoio" para definir os próximos passos e a estratégia de sua defesa. No encontro também está sendo debatida a agenda de viagens que a presidente afastada pretende realizar pelo País para defender seu mandato. Estão com Dilma no Alvorada os ex-ministros Jaques Wagner, Ricardo Berzoini e José Eduardo Cardozo, este último advogado de defesa da petista.

Apoio em Cannes

Mais cedo, a presidente afastada usou as redes sociais para agradecer as manifestações de apoio que recebeu de um grupo de artistas no Festival de Cannes. "Obrigada pelo apoio!", escreveu. Dilma agradeceu nominalmente o diretor filme brasileiro "Aquarius", Kleber Mendonça Filho, e as atrizes Sônia Braga e Maeve Jinkings. "Obrigada, Kleber Mendonça Filho (@kmendoncafilho), Sonia Braga (@bragasonia) e Maeve Jinkings - o talento do Brasil em Cannes", escreveu. "Ao elenco extraordinário do filme #Aquarius um beijo em nome da democracia. #Cannes2016", tuitou a presidente afastada.

No tapete vermelho, os artistas levaram cartazes em inglês e francês afirmando que "um golpe aconteceu no Brasil". Desde ontem vários artistas brasileiros que participam do principal festival mundial do cinema fazem críticas abertas ao afastamento da presidente Dilma Rousseff e ao fim do Ministério da Cultura, que foi incorporado pelo da Educação.

O cineasta Kleber Mendonça Filho, de "Aquarius", único representante do País na seleção oficial de longas de Cannes, classificou como "golpe de estado" o afastamento de Dilma. Já a atriz Sônia Braga, que atua no longa, afirmou que há a "manipulação da tomada do poder" no País precisa ser exposta ao mundo. Ela ainda pregou o fim da divisão no Brasil.

O Senado afastou Dilma. O que acontece agora?

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos