Cúpula do Mercosul é cancelada por situação na Venezuela e Brasil

A Cúpula do Mercosul que reuniria presidentes do bloco no dia 12 de julho em Montevidéu não ocorrerá, afirmou em entrevista coletiva o chanceler uruguaio Rodolfo Nin Novoa nesta segunda-feira, 27. A resistência paraguaia em passar a presidência temporária do bloco para a Venezuela, envolvida em uma crise econômica e institucional, bem como a interinidade do governo brasileiro, são razões para que o encontro não ocorra como previsto, segundo um integrante da chancelaria uruguaia ouvido pelo Estado.

Indícios de que a cúpula não se realizaria na data marcada já haviam sido dados pela chanceler argentina, Susana Malcorra, em entrevista na sexta-feira, 24, no ministério de Relações Exteriores. Ela afirmou então que não seria surpresa um adiamento ou mesmo o "salto" de uma cúpula, pois isso já havia ocorrido em outras ocasiões. Novoa também disse "que não é a primeira vez que isso ocorre". Malcorra acrescentou na entrevista que mesmo que a presidência do bloco fosse passada para Caracas, como determina o sistema de rodízio a cada seis meses, seria o Uruguai que seguiria negociando o tratado de livre comércio com a União Europeia.

O embaixador paraguaio Bernardino Hugo Saguier Caballero, representante na Associação Latino-americana de Integração (Aladi), afirmou ao jornal ABC Color que o Paraguai vetou a passagem da presidência aos venezuelanos. Segundo um funcionário da chancelaria argentina, deverá haver um encontro de chanceleres para substituir a reunião de presidentes. A diplomacia uruguaia ainda insiste para que haja a transferência de poder para Caracas, mas está em posição minoritária. (Rodrigo Cavalheiro)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos