PUBLICIDADE
Topo

Presidente da Eletronuclear foi afastado por favorecer Othon Pinheiro, diz PF

No Rio

06/07/2016 11h56

A Operação Pripyat, deflagrada nesta quarta-feira (6) pela Polícia Federal e pelo MPF (Ministério Público Federal), prendeu o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro porque ele continuava exercendo influência sobre a empresa, subsidiária da Eletrobras, mesmo estando em prisão domiciliar.

Segundo o procurador da República Lauro Coelho Jr., mesmo após a prisão, a Eletronuclear produziu documentos que foram usados na defesa de Pinheiro no processo que corre na Justiça federal do Rio de Janeiro, originado na 16ª fase da Operação Lava Jato, denominada Radioatividade.

Já o atual presidente da Eletronuclear, Pedro José Diniz Figueiredo, foi acusado de interferir na comissão interna de investigação da subsidiária da Eletrobras, afirmou o delegado federal Frederico Skora, responsável pela investigação. "Ele exercia pressão sobre os funcionários, indicando como deveriam proceder nas oitivas", disse o delegado.

Figueiredo foi conduzido de forma coercitiva para depor na operação deflagrada nesta quarta e seu afastamento do cargo foi determinado pela Justiça federal do Rio. O presidente é o único executivo da Eletronuclear da ativa entre os alvos da operação de hoje.