Lindbergh diz que bloqueio de bens foi ação política em tempos de eleição

Em Brasília

  • Jonas Pereira/Agência Senado

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) minimizou decisão do Tribunal de Justiça do Rio, que tornou indisponíveis os bens do petista devido à contratação - supostamente irregular - de empresas de coleta de lixo no município de Nova Iguaçu em 2009, quando Lindbergh era o prefeito.

"Acho estranho que essa história venha à tona agora, por causa das eleições em Nova Iguaçu. É uma questão antiga, fui prefeito entre 2005 e 2010", disse o senador, que alega que a medida preventiva já foi derrubada por seus advogados.

Para Lindbergh, a questão é frágil. Ele reitera que não responde a nenhum processo no caso, ele é apenas investigado. "Não estou acompanhando a questão de perto, mas meus advogados me informaram que isso já caiu. A própria decisão é antiga, é de agosto. A questão é que só foi divulgada agora, em tempos de eleição", afirmou.

O Tribunal de Justiça do Rio divulgou a decisão nesta segunda-feira (5). A decisão atendeu pedido do Ministério Público do Estado do Rio, que havia impetrado ação civil pública por improbidade administrativa e pediu a decretação da indisponibilidade como medida cautelar (preventiva). Segundo a denúncia, durante a gestão de Lindbergh, foi montado um esquema na prefeitura para beneficiar uma empresa. O esquema envolvia a participação do ex-prefeito e de dois assessores.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos