PF suspeita que Jorge Viana tenha relação com propina negociada por Palocci

São Paulo - A 35ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta segunda-feira, 26, conduziu de maneira coercitiva para depor o consultor Marcio Antônio Marucci, um ex-assessor do Senado ligado ao senador Jorge Viana (PT-AC). As suspeitas são que ele possa ter relação com propina negociada pelo ex-ministro da Fazenda e Casa Civil Antonio Palocci, com a empreiteira Odebrecht.

Viana - irmão do governador do Acre, Tião Viana (PT) - não é alvo da Operação Omertà, nome da 35ª fase. As suspeitas dos investigadores é que ele seja "o menino da floresta" identificado na planilha do Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht, tratado pelos investigadores como o "departamento da propinas". O senador do Acre é engenheiro florestal.

A Lava Jato rastreou entregas de valores no endereço de Marucci. Em março de 2015, o alvo foi nomeado assessor parlamentar na primeira vice-presidência do Senado. Ele foi exonerado do cargo em junho deste ano.

As investigações contra Viana correm no Supremo Tribunal Federal (STF), onde estão os alvos com foro privilegiado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos