Topo

Sérgio Cabral vira réu por formação de quadrilha, corrupção e lavagem

Em São Paulo

2016-12-06T15:37:00

2016-12-06T16:56:28

06/12/2016 15h37Atualizada em 06/12/2016 16h56

A Procuradoria da República denunciou o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB) por formação de quadrilha, corrupção e lavagem de dinheiro. O juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, aceitou a denúncia e, agora, Cabral, sua mulher, Adriana Ancelmo, e outras 11 pessoas são réus. O magistrado também mandou prender nesta terça-feira (6) a advogada Adriana Ancelmo.

Sérgio Cabral foi preso em 17 de novembro na Operação Calicute, desdobramento da Lava Jato que desvendou esquema milionário de propinas atribuído ao peemedebista. Ele é acusado de chefiar um grupo que girou R$ 224 milhões em corrupção.

Na última sexta (2), a PF informou que encerrou em 30 de novembro a primeira fase do inquérito da operação, que investiga o desvio de recursos públicos federais em obras realizadas pelo governo do Estado do Rio de Janeiro.

Os crimes vão de corrupção passiva e ativa a organização criminosa e lavagem de dinheiro. De acordo com a PF, "serão instaurados ainda outros inquéritos policiais para aprofundamento de novas vertentes da investigação".

Também foram indiciados Wilson Carlos Cordeiro da Silva Carvalho (ex-secretário de Governo); Carlos Emanuel de Carvalho Miranda (sócio de Cabral na empresa SCF Comunicação e apontado como recebedor de dinheiro sujo); Luiz Carlos Bezerra (ex-assessor da Presidência da Alerj); Hudson Braga (ex-secretário de Obras); Wagner Jordão Garcia (ex-assessor do governador); José Orlando Rabello; Carlos Jardim Borges; Pedros Ramos de Miranda; Luiz Alexandre Igayara; Paulo Fernando Magalhães Pinto Gonçalves (ex-assessor de Cabral e acusado de ser seu "laranja"); Luiz Paulo dos Reis; Alex Sardinha da Veiga; Rosângela de Oliveira Machado Braga; e Jessica Machado Braga.

Mais Notícias