Praia no Guarujá tem disputa de caixa de som

No Guarujá (SP)

  • Tiago Queiroz/ Estadão Conteúdo

    Vendidas a cerca de R$ 50 por ambulantes, caixas tocam músicas de ritmos variados na Praia de Pitangueiras

    Vendidas a cerca de R$ 50 por ambulantes, caixas tocam músicas de ritmos variados na Praia de Pitangueiras

Turistas que foram passar o réveillon no Guarujá, no litoral sul paulista, estão levando caixas de som de todos os tamanhos para debaixo de seus guarda-sóis. Em uma distância de menos de dez metros é possível ouvir Anitta, MC Daleste, Luan Santana, Racionais. Tudo ao mesmo tempo e em diferentes alturas.

Nesse "pancadão" portátil se sobressai quem leva a caixa maior. "Nós somos os reis da balada da praia", brinca o empresário Paulo Cristófaro, de 42 anos, aos gritos. Precisou falar alto porque o funk ostentação que tocava na sua tenda era o mais intenso de toda a Praia de Pitangueiras. O volume tem seu motivo, diz ele: atrair outros turistas para a balada, especialmente as mulheres. "Somos feios, mas a música ajuda", brinca.

O aparelho pertence ao comerciante Antonio Marcos Gaspar, de 58 anos. De acordo com ele, o equipamento custou cerca de R$ 1,6 mil. Acoplado à caixa, estava uma bateria de carro, para que a festa não tenha fim. "O que mais toca é funk e sertanejo", diz. A lista é longa: "Já tocou MC Livinho, David Guetta, Ludmila", conta outro turista da barraca, Leonardo Henrique dos Santos, de 21 anos. "Aqui é a balada da praia."

A "ostentação" irritou alguns. A estudante Milena Aquino, de 18 anos, até desistiu de ligar sua caixa por causa da concorrência. "Não dá nem para ouvir porque alguns vêm com som equipado. É muita gente." Na mesma tenda, o gerente comercial Edson Donico, de 57 anos, reclama: "Alguns incomodam muito e não deixam os outros ouvirem".

Como eles, outros turistas adquiriram suas próprias caixinhas por cerca de R$ 50. O equipamento é vendido por ambulantes na areia, junto com roupas de banho, óculos de sol e outras bugigangas. O estudante de engenharia civil Murilo Santiago, de 19 anos, ouvia de funk a pagode em sua caixa recém-adquirida. "É bom porque cada um fica com a sua música."

O veterinário João Guilherme Holl, de 26 anos, lamentou não ter conseguido uma caixa maior, já que o som de seu equipamento não alcançava os outros. "No ano que vem, a gente traz uma maior."

Microfone

Mais distante dos concorrentes estava Luís Paulo Junior, de 23 anos, que veio de Guaxupé (MG) com uma caixa de som equipada até com microfone, emprestada de um amigo. Sertanejo era a aposta dele e dos colegas para curtir o calor. "De vez em quando, alguém pede para abaixar o som, mas não deu nenhuma briga. Até ajudamos os vendedores anunciando pelo microfone", conta.

Megafones também entraram no rol das brincadeiras dos turistas. Os estudantes Marcelo Introini, de 28 anos, e Matheus Coimbra, de 25, imitavam vozes e brincavam com quem passava.

A expectativa da Secretaria de Turismo do Guarujá é receber de 1,5 milhão a 2 milhões de turistas neste ano. A reportagem levou três horas para fazer o trajeto da Saúde, na zona sul de São Paulo, até o litoral sul. O maior congestionamento aconteceu na entrada da cidade. Também havia pontos de lentidão entre os quilômetros 25 e 30 da Rodovia dos Imigrantes ontem.

Para garantir a segurança, uma operação com 416 policiais foi iniciada. Também houve reforço na fiscalização de ambulantes irregulares. (As informações são do jornal O Estado de S. Paulo)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos