Governo federal nega pedido de Pezão para estender uso das forças armadas

Rio de Janeiro - O governo federal negou nesta terça-feira, 21, pedido do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), para estender a presença das Forças Armadas no Rio até o fim do carnaval. Segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, não há necessidade de prolongar a presença dos militares porque todo o efetivo da Polícia Militar está disponível.

Quando Pezão fez o primeiro pedido, a Polícia Federal ameaçava fazer uma greve. Esse movimento começou no dia 10, mas arrefeceu. Outra preocupação do governo estadual são os protestos na frente da Assembleia Legislativa, onde estão sendo votadas medidas de contenção de despesas do Estado. No último dia 14 chegaram ao Rio 9 mil militares que vão permanecer no Estado até esta quarta-feira, 22.

Em ofício encaminhado ao presidente Michel Temer, o Ministério Público Militar recomendou que o convênio não fosse renovado. "O emprego quiçá banal dos militares pode criar precedentes perigosos no sentido de desvirtuamento de suas missões constitucionais e da policialização das Forças Armadas", afirmou o documento.

Segundo Jungmann, o governo teve duas razões para negar o pedido: "Em primeiro lugar porque o Ministério Público Militar alertou o presidente da República de que não estão dados os pressupostos, ou seja, as condições para a continuidade da Garantia da Lei e da Ordem (procedimento legal para que o policiamento seja controlado pelas Forças Armadas), e em segundo lugar porque todos os dados que nós temos indicam que o policiamento funciona normalmente, então não há descontrole, está mantida a segurança e nós vamos ficar de prontidão, mas a GLO se encerra amanhã", afirmou, em entrevista à Rede Globo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos